Operação Marquês: sorteio para escolher juiz de instrução na sexta-feira

Carlos Alexandre e Ivo Rosa são os dois juízes do Tribunal Central de Instrução Criminal que podem ser escolhidos, através de um sorteio eletrónico, para dirigir a instrução do processo que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates

Sexta-feira, dia 28, pelas 16 horas, alguém carregará na tecla de um computador do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) que, através de um programa de software, que utiliza algoritmos, irá determinar de forma aleatória se Carlos Alexandre ou se Ivo Rosa vai conduzir a instrução do processo "Operação Marquês".

A instrução do processo, pedida por 10 dos 28 arguidos, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates, é um procedimento que visa reavaliar todos os indícios e provas contra os arguidos e decidir se têm ou não fundamento suficiente para os levar a julgamento.

A Operação Marquês tem como principal arguido o ex-primeiro-ministro, que está acusado de 31 crimes. O inquérito da Operação Marquês culminou na acusação a 28 arguidos - 19 pessoas (entre as quais o ex-ministro Armando Vara e o banqueiro Ricardo Salgado) e nove empresas - e está relacionado com a prática de quase duas centenas de crimes de natureza económico-financeira.

Além do ex-primeiro ministro e de Vara, outros oito arguidos pediram a abertura de instrução: Sofia Fava, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava (ex-administradores da PT), Joaquim Barroca (administrador do grupo Lena), Helder Bataglia, Rui Mão de Ferro, Gonçalo Ferreira e Bárbara Vara. Também empresas do grupo Lena (Lena SGPS, LEC SGPS e LEC SA) e a sociedade Vale do Lobo Resort Turístico de Luxo pediram a abertura de instrução.

José Sócrates e Armando Vara contestam a forma de escolha dos magistrados e querem Carlos Alexandre fora de jogo, principalmente pelo facto de ter estado envolvido na investigação desde que esta começou, sufragando quase sempre as iniciativas do Ministério Público.

O TCIC autorizou a pretensão dos arguidos para assistirem ao sorteio, bem como da comunicação social.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.