Militares subalugam casas do Estado a turistas

Instituto de Ação Social das Forças Armadas recebeu queixa sobre uso de apartamento como alojamento local para turistas estrangeiros em Lisboa.

Casas do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) alugadas a militares em Lisboa têm sido usadas como alojamento local para turistas estrangeiros, soube esta segunda-feira o DN.

"Já chegou ao nosso conhecimento e é preocupante, até porque tem a ver com o património da Ação Social Complementar" e também "pela situação grave que o IASFA vive", afirmou um dirigente daquele Instituto, sob anonimato por não estar autorizado a falar sobre o caso.

O Ministério da Defesa "desconhece a situação", afirmou fonte oficial do gabinete de Azeredo Lopes, considerando que cabe ao IASFA responder sobre essa matéria.

Um dos casos, na zona da Boa Hora (entre Alcântara e a Ajuda), foi alvo de uma queixa escrita ao IASFA por três dos moradores - dois sargentos e um cabo - do prédio em maio passado, confirmou o DN junto de várias fontes.

Em causa o apartamento do terceiro andar num prédio do IASFA situado na Rua Aliança Operária, o qual "passou a ser habitado desde o início" deste ano - com os restantes inquilinos a assistirem à "entrada e saída contínua de pessoas de diversas nacionalidades a qualquer hora do dia e ou da noite", segundo a queixa apresentada.

Os autores da queixa, dizendo desconhecer a quem é que o IASFA arrendou o apartamento, comunicaram ao instituto que também têm registado a presença de trabalhadores de limpeza naquele local após a saída dos seus ocupantes.

Os referidos inquilinos manifestaram ainda preocupação com a segurança do prédio, dos moradores e das respetivas casas, na medida em que a chave da porta de entrada "tenha vindo a ser distribuída a várias pessoas completamente alheias ao mesmo".

A situação financeira do IASFA é problemática há vários anos, registando um buraco de dezenas de milhões de euros.

Isso já levou o IASFA a ser alvo de várias auditorias, tanto do Ministério da Defesa como das Finanças.

Saber qual o património habitacional efetivo do IASFA tem sido um dos objetivos da tutela, admitindo fontes ouvidas pelo DN que haja mais situações de subaluguer de habitações à revelia do instituto.

Disponibilizar casas com "rendas económicas" aos militares das Forças Armadas é um dos instrumentos de apoio social do IASFA aos associados.

Segundo informação disponível na sua página digital, o IASFA tem um parque habitacional com 2133 frações, dos quais 1681 fogos de renda económica e 132 de renda livre, 28 apartamentos autónomos (T0, T1, T2), 23 arrecadações e sótãos, 97 estabelecimentos comerciais e, ainda,173 garagens e lugares de parqueamento.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG