Marcelo apoia declaração de estado de emergência climática

O Presidente da República manifestou apoio a uma declaração de estado de emergência climática, afirmando esperar que seja "aprovada brevemente". Mas o Governo tem mostrado pouca abertura a esse cenário

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou este sábado apoio a uma declaração de estado de emergência climática. O Presidente da República falava à chegada ao Parque das Nações, onde decorre a Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e o Fórum da Juventude "Lisboa+21"

"Eu já apoiei a ideia de uma declaração de estado de emergência climática. Espero que seja aprovada brevemente", disse Marcelo Rebelo de Sousa, ladeado pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, dirigindo-se aos cerca de 30 jovens ativistas que se encontravam à porta do Altice Arena. Quando se aperceberam da chegada de Marcelo Rebelo de Sousa, os jovens, que inicialmente pretendiam deitar-se na estrada invocando a imagem das mortes provocadas pelas alterações e os fenómenos climáticos extremos a elas associados, começaram a ler uma declaração em português e depois inglês. E foi também em inglês que o Presidente da República respondeu.

Mas a expectativa expressa pelo Presidente da República, de que venha a ser aprovada uma declaração de estado de emergência climática, não vai de encontro ao que tem sido a posição do Governo sobre esta matéria. Quer António Costa quer o ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes, já fizeram declarações desvalorizando esse cenário e defendendo que a declaração de emergência climática não é mais do que um ato simbólico.

Em maio, em resposta a uma interpelação do deputado do PAN André Silva, num debate quinzenal na Assembleia da República, o primeiro-ministro defendeu que nesta matéria não são necessárias "medidas simbólicas", mas "medidas concretas que contribuam para contrariar a trajetória" de aquecimento do planeta.

E, já no início deste mês, duas resoluções apresentadas pelo Bloco e pelo PAN no Parlamento, recomendando ao Governo que declare o estado de emergência climática foram aprovadas, mas com o voto contra do PS. Numa declaração de voto a justificar esta posição, os socialistas argumentaram que Portugal já está "na linha da frente, no plano internacional, no combate às alterações climáticas", pelo que "não precisa de adotar uma declaração de estado de urgência climática".

Até agora o estado de emergência climática foi declarado pelo Reino Unido, a 1 de maio, e pela Irlanda, a 9 do mesmo mês.

Jovens ativistas prometem não baixar os braços

Beatriz Farelo, uma das ativistas do movimento, reconheceu a importância de o Presidente da República e o ministro da Educação se terem deslocado junto dos jovens, mas lembrou que "não se podem baixar os braços enquanto os gestos simbólicos não passarem à ação".

"Naturalmente que teriam de se deslocar. O ministro da Educação até demorou a deslocar-se, só o fez quando o Presidente veio. É um ato simbólico terem vindo ter connosco, atos simbólicos podem ou não ser privilegiados. A verdade é que a declaração da emergência climática não pode depender de atos simbólicos, precisamos de ação e foi isso que viemos exigir", disse aos jornalistas.

.Na declaração lida ao Presidente da República, os jovens ativistas da Greve Climática Estudantil afirmaram que respondem "com uma atitude de confronto naturalmente dialética, a única que poderá levar a combater a inércia política" - "Ao diálogo inconsequente, respondemos com ação urgente".

Os ativistas estiveram desde o final do dia de sábado numa vigília em Lisboa à porta do encontro de responsáveis pelas políticas da juventude, a quem querem demonstrar que combater as alterações climáticas é questão de vida ou morte.

Este sábado, à entrada da conferência por onde passaram as cerca de 100 delegações de responsáveis pela área da juventude de todo o mundo, os ativistas, com idades entre os 12 e os 40 anos, empunharam cartazes onde se podia ler "Não há planeta B", "Climate is changing faster than this", "Fechar Sines" ou "Não deixes que isto se transforme nisto".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.