Jerónimo acredita que CDU vai recuperar votos nas legislativas

O secretário-geral do PCP manifestou-se esta quinta-feira confiante numa recuperação da CDU nas próximas legislativas, depois do mau resultado nas eleições para o Parlamento Europeu do último domingo, em que baixou de 9,09% para 6,88%.

"Estamos convencidos de que o povo português, tendo em conta o caráter destas eleições legislativas de setembro, bem diferente da especificidade das eleições para o PE - estas são eleições para Assembleia da República, para deputados, para ver a politica nacional, as propostas que cada um tem a fazer - estas eleições devem ser uma mensagem clara do povo português, de que o caminho é avançar e não retroceder, naturalmente com a distribuição de deputados necessária para que isso se concretize, onde, com certeza, contará a CDU", disse Jerónimo de Sousa.

"Quanto à solução politica, tem de resultar dos resultados eleitorais. Aquilo que posso avançar, sem fazer futurologia, é que, da parte do PCP e da CDU há uma ideia central já assumida: em relação àquilo que for discutido na Assembleia da República, para tudo o que for bom para os trabalhadores, para o povo e para o país, nenhum voto da CDU faltará. E nenhum voto contra da CDU faltará, caso essas medidas sejam lesivas dos interesses dos trabalhadores, do povo e do país", acrescentou.

Questionado pelos jornalistas, o líder comunista, que falava no final de uma visita ao Espaço Educativo "A Voz do Operário", na Baixa da Banheira, concelho da Moita, distrito de Setúbal, disse também compreender por que razão o primeiro-ministro, António Costa, considera que o `namoro´ com o PCP não pode acabar em casamento (participação do PCP num futuro Governo).

"Aquilo que podemos dizer é que, para o Partido Socialista, o PCP é bom quando dá uma contribuição positiva para os avanços, para as conquistas; o PCP não é bom porque está contra as propostas do PS em relação à legislação laboral, em relação à submissão e às imposições da União Europeia, em relação ao tratamento de luxo à banca e aos banqueiros, argumentando, em contrapartida, que não há dinheiro para o investimento público e para resolver os problemas no serviços públicos, designadamente na saúde", acentuou.

"Aí, creio que o PS e o primeiro António Costa explicitam bem: o PCP não é bom, porque diverge de conceções profundamente injustas, negativas, num país que se quer livre, soberano e a resolver os problemas do seu povo. Temos de facto esta visão diferente. Há coisas que para o PCP seriam importantes, para o Partido Socialista não", sublinhou Jerónimo de Sousa.

Na visita que efetuou ao Espaço Educativo `A Voz do Operário´ da Baixa da Banheira, antecipando as comemorações do Dia Mundial da Criança (01 de junho), Jerónimo de Sousa, salientou também o contributo dado pelo PCP para um conjunto de medidas aprovadas na atual legislatura pelo governo do PS, com o contributo do PCP e da CDU, como a gratuitidade manuais escolares, os passes intermodais gratuitos para crianças até aos 12 anos, bem como o alargamento e a bonificação do abono de família, medida que, segundo Jerónimo de Sousa, "abrange um milhão de crianças".

O secretário-geral do PCP salientou, no entanto, que é preciso ir mais longe, designadamente na "gratuitidade das vacinas", que são aconselhadas, mas que, por vezes, custam cerca de 500 euros, valor que disse ser incomportável para muitas famílias.

Lembrando que o país tem um problema demográfico, Jerónimo de Sousa defendeu ainda a necessidade de uma melhoria dos salários, dos horários e dos vínculos laborais dos pais, para garantir que têm condições para acompanhar os filhos, para que estes possam efetivamente crescer felizes.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?