Vice-presidente do PSD Maló de Abreu acusa Montenegro de tentar "um assalto ao poder"

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro anunciou na sexta-feira que está disponível para ser "de imediato" candidato à liderança do partido

O vice-presidente do PSD Maló de Abreu acusou este sábado Luís Montenegro de tentar um "assalto ao poder" no partido e de fazer "politiquice" a três meses das eleições Europeias.

"Rui Rio candidatou-se com uma estratégia, com um caminho, que tem sido seguido e, portanto, parece-me absolutamente descabido, desnecessário e altamente prejudicial para o partido o que se está a passar neste momento", disse Maló de Abreu, à entrada para o Conselho Estratégico do partido, em Coimbra.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro anunciou na sexta-feira que está disponível para ser "de imediato" candidato à liderança do partido, desafiando Rui Rio a marcar eleições diretas já e a apresentar a sua própria candidatura.

Para Maló de Abreu, parece "óbvio que é uma situação de assalto ao poder e de medo, receio de perder posições e, sobretudo, lugares", que deve merecer uma resposta "enérgica e com força".

"Trata-se de politiquice quando estamos a pensar no país, em Portugal e numa alternativa séria", sublinhou o vice-presidente social-democrata, criticando que se faça "politiquice" a três meses de apresentação de listas para as eleições europeias.

Num ano "tão difícil", com eleições regionais e legislativas, Maló de Abreu defendeu que era da "maior responsabilidade o partido estar unido" e aconselhou todos os "atores" do partido "a meterem a mão na consciência" e assumirem as suas responsabilidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.