Santos Silva espera que Maduro "compreenda que o seu tempo acabou"

Ministro dos Negócios Estrangeiros português apela a que se realizem "eleições livres" no país

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, afirmou esta quarta-feira o seu pleno respeito "à vontade inequívoca" mostrada pelo povo da Venezuela e disse esperar que Nicolas Maduro "compreenda que o seu tempo acabou".

"Apelamos para eleições livres, para que Maduro compreenda que o seu tempo acabou, porque não pode ignorar a vontade do povo e a Assembleia Nacional tem de ser respeitada", disse o ministro à Lusa.

Santos Silva acrescentou "subscrever inteiramente" a declaração da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, "preparada entre Estados-membros", que renova o "apelo para que não haja violência e que seja plenamente respeitada a vontade inequivocamente manifestada hoje pelo povo venezuelano para a realização de eleições livres e justas".

"Seguirão outras tomadas de posição", disse, frisando que Portugal, como a UE, acompanha minuto a minuto o que se passa no país.

O ministro, que falou à Lusa depois de aterrar em Lisboa vindo de Madrid, frisou a importância de a Venezuela "realizar eleições livres e justas" e de "todos os poderes da Assembleia Nacional serem restaurados e respeitados".

Horas depois de o presidente do parlamento da Venezuela, o opositor Juan Guaidó, se ter autoproclamado Presidente interino, Santos Silva frisou também que "a segurança de Guaidó é essencial" e voltou a apelar a que "não haja violência".

"Do ponto vista de Portugal, a preocupação é com a segurança da comunidade" portuguesa e lusodescendente naquele país, frisou, acrescentando que não tem notícia de que portugueses estejam em perigo, mas que "a situação é de preocupação".

"Acabei de aterrar, mas a última informação que tenho, de há hora e meia, é felizmente de que não há nenhum reporte" de problemas com a comunidade portuguesa e lusodescendente.

"Não é possível resolver a crise venezuelana ignorando-a", sublinhou, frisando que os milhares de manifestantes de quarta-feira em Caracas "não são braços armados do capitalismo".

Minutos antes de falar com a Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros divulgou uma mensagem na rede social Twitter afirmando que "Portugal apoia integralmente a declaração da Alta Representante em nome de toda a UE" e renovando "o apelo para que não haja violência e que seja plenamente respeitada a vontade inequivocamente manifestada hoje pelo povo venezuelano para a realização de eleições livres e justas".

Federica Mogherini, Alta Representante para a Política Externa da UE, declarou quarta-feira à noite que a UE "apoia plenamente" a Assembleia Nacional da Venezuela, cujo líder se autoproclamou hoje Presidente interino do país, e pede a realização de "eleições livres e credíveis".

Em comunicado, Mogherini salienta que "a UE apoia plenamente a Assembleia Nacional como instituição democraticamente eleita", argumentando que "os poderes devem ser restaurados e respeitados".

"Os direitos civis, a liberdade e a segurança de todos os membros da Assembleia Nacional, incluindo os do seu Presidente, Juan Guaidó, devem ser reconhecidos e totalmente respeitados", frisa a responsável, sublinhando que o povo venezuelano pediu "maciçamente a democracia e a possibilidade de traçar livremente o seu próprio destino".

"E essas vozes não podem ser ignoradas", afirmou Mogherini.

O líder do parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, autoproclamou-se quarta-feira Presidente interino da Venezuela, perante milhares de pessoas concentradas em Caracas.

"Levantemos a mão: Hoje, 23 de janeiro, na minha condição de presidente da Assembleia Nacional e perante Deus todo-poderoso e a Constituição, juro assumir as competências do executivo nacional, como Presidente Encarregado da Venezuela, para conseguir o fim da usurpação [da Presidência da República], um Governo de transição e eleições livres", declarou.

Para Juan Guaidó, "não se trata de fazer nada paralelo", já que tem "o apoio da gente nas ruas".

Nicolás Maduro iniciou a 10 de janeiro o seu segundo mandato de seis anos como Presidente da Venezuela, após uma vitória eleitoral cuja legitimidade não foi reconhecida nem pela oposição, nem pela comunidade internacional.

Os Estados Unidos, o Canadá, a Organização dos Estados Americanos (OEA), o Brasil, a Colômbia, o Peru, o Paraguai, o Equador, o Chile e a Costa Rica reconheceram Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela.

México, Bolívia e Cuba anunciaram que se mantêm ao lado de Nicolás Maduro.

A Venezuela enfrenta uma grave crise política e económica que levou 2,3 milhões de pessoas a fugir do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.