Último Orçamento da geringonça é votado a 29 de novembro

Governo fará chegar proposta à Assembleia da República até 15 de outubro. Primeiro debate na generalidade será nos dias 29 e 30 de outubro

O último Orçamento do Estado da geringonça será votado a 29 de novembro, seguindo depois para a sua redação final e seguir para Belém, decidiu esta quarta-feira a conferência de líderes parlamentares, que esteve reunida pela primeira depois das férias. Isto se vingar a proposta que o Governo fará chegar à Assembleia da República até 15 de outubro (pode fazer chegá-la antes).

Segundo o calendário divulgado pelo secretário da mesa do Parlamento, no final na reunião, a proposta de Orçamento para 2019 tem um primeiro debate na generalidade nos dias 29 e 30 de outubro, com uma primeira votação na generalidade no final desses dois dias de discussão.

O Parlamento entra depois na fase de trabalhos na especialidade, com a audição de ministros e entidades, para avançar com a discussão e votação na especialidade nos dias 26, 27 e 28 de novembro, antecipando a votação final global, que terá lugar no referido dia 29.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.