Tancos. Militares desvalorizam risco para a segurança do material ainda desaparecido

Militares rejeitam a tese do MP de que o pouco material ainda na posse de estranhos, se existir, constitua uma ameaça real à segurança interna.

O material furtado dos paióis de Tancos, que o Ministério Público (MP) alega estar em mãos incertas, é um risco para a "segurança de alguém" mas não à segurança interna, afirmou segunda-feira o major-general Raul Cunha ao DN.

"À segurança de alguém sim, à segurança interna não", declarou o militar (na reforma) das forças especiais e especialista em operações especiais, perante a hipótese de esse material existir mesmo e estar na posse de desconhecidos.

Trinta cargas explosivas de corte (de um total de 102), duas granadas ofensivas para instrução e uma granada de mão ofensiva (num total de 150), um disparador de descompressão e duas granadas de gás lacrimogéneo são o que o MP diz estar desaparecido e se desconhecia

Segundo noticiou sábado o Expresso, o MP disse ao tribunal que ainda está por recuperar material desaparecido há um ano dos paióis de Tancos e que alegadamente está na posse de desconhecidos - levando a oposição a exigir explicações à tutela porque o Exército e o Ministério da Defesa disseram que o material tinha sido todo recuperado.

Note-se que, como noticiou então o DN, "existem 'discrepâncias de valores' - mínimas mas reveladoras de facilitismo, segundo uma das fontes - entre os números dessa lista e as quantidades recuperadas" na zona da Chamusca. "Uma explicação para esse facto decorre da natureza do material furtado, que por se destinar à instrução e treino não seria alvo de registos sistemáticos e diários de saída e entrada."

Trinta cargas explosivas de corte (de um total de 102), um disparador de descompressão, duas granadas de gás lacrimogéneo, duas granadas ofensivas para instrução e uma granada de mão ofensiva (de um total de 150) é o material que o MP alega estar ainda desaparecido, para além das 1450 munições de 9 mm que desde o início se assumiu não terem sido recuperadas.

Para o MP, "a existência de armamento subtraído à instituição militar que se encontra na posse de desconhecidos representa um perigo para a segurança interna", pois pode "vir a ser utilizado na execução de crimes relacionados com as formas de criminalidade violenta ou mesmo atos terroristas, nomeadamente explosões de [caixas Multibanco], ataques com explosivos a carrinhas de valores ou a execução de atentados terroristas".

Raul Cunha foi um dos vários militares ouvidos pelo DN que manifestaram fortes reservas à existência do referido material, admitindo que ele foi usado na instrução sem que depois fosse registado como tal. Isso ajudaria a explicar, acrescentaram, o facto de o chefe do Exército dizer que tinha sido tudo recuperado em vez de assumir que ainda havia lacunas.

"O MacGyver faz guerra com um fósforo"

Mas, a existir esse material, o risco efetivo que as quantidades referidas pelo MP representam para a segurança interna é mínimo, sustentaram. Para além dos múltiplos assaltos a caixas multibanco ocorridos antes do furto aos paióis de Tancos, o coronel Nuno Pereira da Silva observou que "não é caso para se fazer uma tempestade num copo de água".

"O material ainda desaparecido é perigoso" mas, no caso específico das 30 cargas de explosivo, "quando muito dá para dois ou três assaltos", referiu aquele oficial de infantaria na reserva. "Pode-se ter acesso na vida civil a explosivos, utilizados em pedreiras e minas que podem ter efeitos semelhantes", acrescentou.

"Comparado com o que roubaram, [o que falta] não é nada", frisou também ao DN o tenente-coronel paraquedista Miguel Machado.

Recorde-se que entre o material furtado em Tancos estavam 44 lança-granadas anticarro, quatro engenhos explosivos, 120 granadas ofensivas e 20 granadas de gás lacrimogéneo (além das referidas munições de 9 mm). Quando os autores do furto devolveram as caixas roubadas, descobriu-se uma - não registada pelo Exército - com uma centena de petardos.

Segundo um oficial superior no ativo, os autores do furto terem guardado aquele material listado pelo MP equivale a "ficar com uma nota de cinco euros depois de terem assaltado um banco e devolvido um milhão".

"Dizer que aquilo coloca em perigo a segurança interna é o mesmo que dizer que com as [pistolas de 9 mm] Glock desaparecidas da PSP se pode começar a terceira guerra mundial", adiantou esta fonte, acrescentando com humor: "Claro que o MacGyver faz guerra com um fósforo."

Certo é que, para além de se estar perante um caso de "acerto de cargas" ou de haver material ainda por recuperar, nasceu nova polémica político-partidária entre o ministro Azeredo Lopes e os partidos de direita (PSD e CDS) e mais uma controvérsia em torno do chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), general Rovisco Duarte - que está a menos de um ano de terminar o seu mandato.

Azeredo Lopes vai esta terça-feira ao Parlamento, para uma audição com a Comissão de Defesa que oficialmente se destina a abordar a recente cimeira da NATO. Contudo, a oposição já fez saber que o iria questionar sobre os dados noticiados sábado pelo Expresso.

Talvez antecipando isso, o Ministério da Defesa publicou domingo uma nota a lembrar que o caso está em investigação e sob segredo de justiça. Daí Azeredo Lopes - que tutela a Polícia Judiciária Militar (PJM) - nada ter a dizer pois quaisquer esclarecimentos "só podem, portanto, ser prestados pelo MP" - o que também pode ser uma forma de dizer, aos titulares do inquérito, "provem que o material existe mesmo".

Quanto a Rovisco Duarte, um segundo mandato como CEME é visto como muito duvidoso por diversas fontes do ramo devido às repercussões negativas internas de várias decisões suas, pequenas e grandes - a começar na exoneração (sem processo) dos comandantes das cinco unidades envolvidas na segurança dos paióis (depois reempossados), passando pela forma como admitiu ter aparecido uma caixa a mais de petardos ou, mais recentemente, haver desde maio dois coronéis nomeados como comandantes do Regimento de Comandos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.