Tancos: houve ordem para não se fazerem rondas na noite do furto

O inspetor da PJM João Bengalinha admitiu ter havido cumplicidade interna e até uma ordem para não se fazerem rondas naquele dia. Foi o primeiro inspetor a deslocar-se aos paióis após o furto, em junho de 2017.

João Bengalinha, o primeiro inspetor da Polícia Judiciária Militar a deslocar-se aos paióis de Tancos após o furto, em junho de 2017, admitiu hoje ter havido cumplicidade interna e até uma ordem para não se fazerem rondas naquele dia.

Ouvido numa audição, na comissão parlamentar de inquérito ao furto de Tancos, o inspetor da PJM afirmou que, antes de se afastar do caso, em setembro de 2017, a sua investigação tinha já tirado algumas conclusões.

"O que apuramos foi que algumas rondas não tinham sido feitas e que houve uma tentativa de esconder [da PJM] as ordens que tinham sido dadas para [as rondas] não se fazerem", afirmou o capitão Bengalinha em resposta ao deputado do PS Ricardo Bexiga.

Quem o fez foi "o responsável pelas rondas" naquele dia, disse o inspetor da Judiciária Militar, não identificando o responsável.

O inspetor da PJM admitiu, também, a tese da cumplicidade no furto: "Com certeza, na minha perspetiva, na minha intuição e experiência enquanto investigador, diria que sim."

João Bengalinha pediu, contudo, para não responder quando o deputado do PCP Jorge Machado o indagou sobre a tese da encenação e dos alegados informadores e lhe perguntou se era normal que quem "dá este tipo de informação passe a arguido ou vá livre como um passarinho". "Agradecia não responder a essa pergunta", afirmou, embora admitindo que não lhe parecia "muito normal que assim seja".

A uma pergunta acerca do autor de um parecer jurídico, pedido pelo Governo, sobre o confito de competências entre as duas judiciárias, civil e militar, o inspetor só respondeu à porta fechada, depois de se ter inicialmente recusado a fazê-lo.

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017. Quatro meses depois, a PJM revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração de elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

A comissão de inquérito para apurar as responsabilidades políticas no furto de material militar em Tancos, pedida pelo CDS-PP, vai decorrer até junho de 2019, depois de o parlamento prolongar os trabalhos por mais 90 dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.