Tancos: Costa defende que Governo fez o que lhe competia

Primeiro-ministro sublinha que pressões do Executivo desrespeitariam a autonomia do Ministério Público

O primeiro-ministro defendeu hoje que o Governo já fez aquilo lhe que competia face ao roubo de armas na base militar de Tancos e considerou que desrespeitaria a autonomia do Ministério Público se pressionasse a investigação criminal.

António Costa falava aos jornalistas após ter inaugurado a nova sede da multinacional norte-americana Johnson & Johnson, no Lagoas Park, em Oeiras, cerimónia que contou com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e do secretário de Estado para a Internacionalização, Eurico Brilhante Dias.

No domingo, em Castelo Vide, Portalegre o presidente do PSD, Rui Rio, afirmou que o país tem de exigir ao Ministério Público que rapidamente faça a "acusação correta" no caso de Tancos, considerando o Governo "incapaz de dar mais respostas" sobre o caso.

Perante os jornalistas, António Costa demarcou-se desta posição, alegando que é preciso respeitar a autonomia da investigação a cargo do Ministério Público e defendendo a atuação do seu executivo em relação a este caso do verão do ano passado.

"No que diz respeito a Tancos, o Governo já fez aquilo que tinha a fazer, que era verificar se havia ou não uma ameaça à segurança. Nas 48 horas imediatamente seguintes foi possível reunir a Unidade de Combate ao Terrorismo e a secretária-geral do Sistema de Segurança Interna [Helena Fazenda] deu garantias de que não havia qualquer risco para a segurança interna do país", respondeu o primeiro-ministro.

Ainda de acordo com António Costa, na sequência do roubo de material militar na base de Tancos, o seu Governo fez "um trabalho de fundo muito importante: A recolocação de todas as munições e armamento que se encontrava em Tancos em novos armazéns securizados".

"Essa operação foi feita com grande eficiência pelo Exército, com a cooperação também em particular da Marinha. Neste momento, temos novos paios completamente securizados, de forma a não haver riscos em relação ao material depositado", justificou.

A seguir, o primeiro-ministro falou sobre a vertente da investigação criminal resultante deste roubo, sustentando que essa dimensão "transcende completamente o Governo".

"Não vejo nenhuma razão para que não haja confiança no Ministério Público no sentido de que faça no melhor prazo possível a investigação que lhe compete fazer. Seria desrespeitador da autonomia própria do Ministério Público estar a comentar se o Ministério Público deve andar depressa, se tem andado devagar, se pode fazer mais, se pode fazer menos. Isso só o Ministério Público pode esclarecer", alegou o líder do executivo.

Questionado sobre a sugestão do presidente do PSD, segundo a qual no caso do roubo de material militar na base de Tancos pode haver mais elementos para além dos dados já conhecidos, o primeiro-ministro reagiu, usando a ironia: "Se há mais do que é conhecido como querem que eu conheça".

"Não sei mais nada e nem tenho que saber, porque presumo que a investigação esteja em segredo de justiça. Tenho a certeza de que se houvesse algum facto que colocasse em risco o país, nos termos da lei e das exceções que existem face ao segredo de justiça, a senhora Procuradora Geral da República [Joana Marques Vidal] não teria deixado de alertar o Governo para qualquer medida que fosse necessário tomar", disse.

Até agora, de segundo António Costa, a Procuradora Geral da República "nada comunicou que exigisse outro tipo de medida".

"Se a investigação descobriu mais do que nós, bom, é isso que compete precisamente à investigação", acrescentou.

O furto de material militar dos paióis de Tancos - instalação entretanto desativada - foi detetado em 28 de junho de 2017 durante uma ronda móvel. Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e grande quantidade de munições.

Em 18 de outubro passado, a Polícia Judiciária Militar recuperou, na zona da Chamusca, quase todo o material militar que tinha sido furtado da base de Tancos no final de junho, à exceção das munições de 9 milímetros.

Contudo, entre o material encontrado, num campo aberto na Chamusca, num local a 21 quilómetros da base de Tancos, havia uma caixa com cem explosivos pequenos, de 200 gramas, que não constava da relação inicial do que tinha sido roubado, o que foi desvalorizado pelo Exército e atribuído a falhas no inventário.

Citando partes de acórdãos do Ministério Público relativos à investigação judicial ao furto de Tancos, o jornal Expresso referia, em 14 de julho, que, além das munições de 9 milímetros, há mais material em falta entre o que foi recuperado na Chamusca, como granadas de gás lacrimogéneo, uma granada de mão ofensiva, e cargas lineares de corte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.