Tancos: Costa defende que Governo fez o que lhe competia

Primeiro-ministro sublinha que pressões do Executivo desrespeitariam a autonomia do Ministério Público

O primeiro-ministro defendeu hoje que o Governo já fez aquilo lhe que competia face ao roubo de armas na base militar de Tancos e considerou que desrespeitaria a autonomia do Ministério Público se pressionasse a investigação criminal.

António Costa falava aos jornalistas após ter inaugurado a nova sede da multinacional norte-americana Johnson & Johnson, no Lagoas Park, em Oeiras, cerimónia que contou com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e do secretário de Estado para a Internacionalização, Eurico Brilhante Dias.

No domingo, em Castelo Vide, Portalegre o presidente do PSD, Rui Rio, afirmou que o país tem de exigir ao Ministério Público que rapidamente faça a "acusação correta" no caso de Tancos, considerando o Governo "incapaz de dar mais respostas" sobre o caso.

Perante os jornalistas, António Costa demarcou-se desta posição, alegando que é preciso respeitar a autonomia da investigação a cargo do Ministério Público e defendendo a atuação do seu executivo em relação a este caso do verão do ano passado.

"No que diz respeito a Tancos, o Governo já fez aquilo que tinha a fazer, que era verificar se havia ou não uma ameaça à segurança. Nas 48 horas imediatamente seguintes foi possível reunir a Unidade de Combate ao Terrorismo e a secretária-geral do Sistema de Segurança Interna [Helena Fazenda] deu garantias de que não havia qualquer risco para a segurança interna do país", respondeu o primeiro-ministro.

Ainda de acordo com António Costa, na sequência do roubo de material militar na base de Tancos, o seu Governo fez "um trabalho de fundo muito importante: A recolocação de todas as munições e armamento que se encontrava em Tancos em novos armazéns securizados".

"Essa operação foi feita com grande eficiência pelo Exército, com a cooperação também em particular da Marinha. Neste momento, temos novos paios completamente securizados, de forma a não haver riscos em relação ao material depositado", justificou.

A seguir, o primeiro-ministro falou sobre a vertente da investigação criminal resultante deste roubo, sustentando que essa dimensão "transcende completamente o Governo".

"Não vejo nenhuma razão para que não haja confiança no Ministério Público no sentido de que faça no melhor prazo possível a investigação que lhe compete fazer. Seria desrespeitador da autonomia própria do Ministério Público estar a comentar se o Ministério Público deve andar depressa, se tem andado devagar, se pode fazer mais, se pode fazer menos. Isso só o Ministério Público pode esclarecer", alegou o líder do executivo.

Questionado sobre a sugestão do presidente do PSD, segundo a qual no caso do roubo de material militar na base de Tancos pode haver mais elementos para além dos dados já conhecidos, o primeiro-ministro reagiu, usando a ironia: "Se há mais do que é conhecido como querem que eu conheça".

"Não sei mais nada e nem tenho que saber, porque presumo que a investigação esteja em segredo de justiça. Tenho a certeza de que se houvesse algum facto que colocasse em risco o país, nos termos da lei e das exceções que existem face ao segredo de justiça, a senhora Procuradora Geral da República [Joana Marques Vidal] não teria deixado de alertar o Governo para qualquer medida que fosse necessário tomar", disse.

Até agora, de segundo António Costa, a Procuradora Geral da República "nada comunicou que exigisse outro tipo de medida".

"Se a investigação descobriu mais do que nós, bom, é isso que compete precisamente à investigação", acrescentou.

O furto de material militar dos paióis de Tancos - instalação entretanto desativada - foi detetado em 28 de junho de 2017 durante uma ronda móvel. Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e grande quantidade de munições.

Em 18 de outubro passado, a Polícia Judiciária Militar recuperou, na zona da Chamusca, quase todo o material militar que tinha sido furtado da base de Tancos no final de junho, à exceção das munições de 9 milímetros.

Contudo, entre o material encontrado, num campo aberto na Chamusca, num local a 21 quilómetros da base de Tancos, havia uma caixa com cem explosivos pequenos, de 200 gramas, que não constava da relação inicial do que tinha sido roubado, o que foi desvalorizado pelo Exército e atribuído a falhas no inventário.

Citando partes de acórdãos do Ministério Público relativos à investigação judicial ao furto de Tancos, o jornal Expresso referia, em 14 de julho, que, além das munições de 9 milímetros, há mais material em falta entre o que foi recuperado na Chamusca, como granadas de gás lacrimogéneo, uma granada de mão ofensiva, e cargas lineares de corte.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.