Substituto de Robles é Manuel Grilo

Rita Silva, do movimento Habita, era a segunda da lista eleitoral mas não manifestou disponibilidade para substituir o vereador. O novo autarca foi dirigente da CGTP e da Fenprof e era até agora assessor do BE na área da educação

Manuel Grilo vai ocupar o cargo de vereador na câmara de Lisboa que pertencia a Ricardo Robles, cuja renúncia foi esta segunda-feira aceite pela Comissão Política do Bloco de Esquerda. O novo autarca tem 59 anos e já tinha substituído Robles na vereação, informa o comunicado publicado esta noite no esquerda.net.

O terceiro elemento da lista eleitoral do BE - Rita Silva, da Habita, era a segunda mas terá considerado que a direção deste movimento que luta pelo direito à habitação não é compatível com a vereação -- é membro do Conselho Nacional de Educação.

Foi professor do 1º ciclo e, como sindicalista da Fenprof, teve a responsabilidade dessa área. Exerceu também funções de dirigente da CGTP, fazendo parte do seu Conselho Nacional.

Atualmente, este histórico do Partido Socialista Revolucionário (o qual com a UDP e o Política XXi formou em 1999 o BE),que tinha deixado de lecionar em 2016, era assessor do Bloco para a educação e membro do Conselho Nacional da Educação. Esta área é um dos pelouros que o presidente da CML, Fernando Medina, atribuiu ao BE no âmbito do acordo com este partido para assegurar o governo da Câmara.

Refira-se que Rita Silva tem sido muito crítica da política de Medina, tendo já acusado o seu executivo de "ser o mais liberal de sempre". O combate à especulação imobiliária e àquilo que descreve como "onda de despejos" em Lisboa têm sido os cavalos de batalha da Habita nos últimos anos, depois de se ter dedicado aos despejos dos bairros ditos "de lata".

Robles renunciou ao cargo, depois de considerar que a sua "opção privada", de compra e tentativa de venda de um prédio por 5,7 milhões de euros, em Alfama, Lisboa, "forçada por constrangimentos familiares e no respeito pelas regras legais", acabou por revelar-se "um problema político real e criou um enorme constrangimento" à que seria a sua "intervenção como vereador".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.