Substituto de Robles é Manuel Grilo

Rita Silva, do movimento Habita, era a segunda da lista eleitoral mas não manifestou disponibilidade para substituir o vereador. O novo autarca foi dirigente da CGTP e da Fenprof e era até agora assessor do BE na área da educação

Manuel Grilo vai ocupar o cargo de vereador na câmara de Lisboa que pertencia a Ricardo Robles, cuja renúncia foi esta segunda-feira aceite pela Comissão Política do Bloco de Esquerda. O novo autarca tem 59 anos e já tinha substituído Robles na vereação, informa o comunicado publicado esta noite no esquerda.net.

O terceiro elemento da lista eleitoral do BE - Rita Silva, da Habita, era a segunda mas terá considerado que a direção deste movimento que luta pelo direito à habitação não é compatível com a vereação -- é membro do Conselho Nacional de Educação.

Foi professor do 1º ciclo e, como sindicalista da Fenprof, teve a responsabilidade dessa área. Exerceu também funções de dirigente da CGTP, fazendo parte do seu Conselho Nacional.

Atualmente, este histórico do Partido Socialista Revolucionário (o qual com a UDP e o Política XXi formou em 1999 o BE),que tinha deixado de lecionar em 2016, era assessor do Bloco para a educação e membro do Conselho Nacional da Educação. Esta área é um dos pelouros que o presidente da CML, Fernando Medina, atribuiu ao BE no âmbito do acordo com este partido para assegurar o governo da Câmara.

Refira-se que Rita Silva tem sido muito crítica da política de Medina, tendo já acusado o seu executivo de "ser o mais liberal de sempre". O combate à especulação imobiliária e àquilo que descreve como "onda de despejos" em Lisboa têm sido os cavalos de batalha da Habita nos últimos anos, depois de se ter dedicado aos despejos dos bairros ditos "de lata".

Robles renunciou ao cargo, depois de considerar que a sua "opção privada", de compra e tentativa de venda de um prédio por 5,7 milhões de euros, em Alfama, Lisboa, "forçada por constrangimentos familiares e no respeito pelas regras legais", acabou por revelar-se "um problema político real e criou um enorme constrangimento" à que seria a sua "intervenção como vereador".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.