Substituto de Robles é Manuel Grilo

Rita Silva, do movimento Habita, era a segunda da lista eleitoral mas não manifestou disponibilidade para substituir o vereador. O novo autarca foi dirigente da CGTP e da Fenprof e era até agora assessor do BE na área da educação

Manuel Grilo vai ocupar o cargo de vereador na câmara de Lisboa que pertencia a Ricardo Robles, cuja renúncia foi esta segunda-feira aceite pela Comissão Política do Bloco de Esquerda. O novo autarca tem 59 anos e já tinha substituído Robles na vereação, informa o comunicado publicado esta noite no esquerda.net.

O terceiro elemento da lista eleitoral do BE - Rita Silva, da Habita, era a segunda mas terá considerado que a direção deste movimento que luta pelo direito à habitação não é compatível com a vereação -- é membro do Conselho Nacional de Educação.

Foi professor do 1º ciclo e, como sindicalista da Fenprof, teve a responsabilidade dessa área. Exerceu também funções de dirigente da CGTP, fazendo parte do seu Conselho Nacional.

Atualmente, este histórico do Partido Socialista Revolucionário (o qual com a UDP e o Política XXi formou em 1999 o BE),que tinha deixado de lecionar em 2016, era assessor do Bloco para a educação e membro do Conselho Nacional da Educação. Esta área é um dos pelouros que o presidente da CML, Fernando Medina, atribuiu ao BE no âmbito do acordo com este partido para assegurar o governo da Câmara.

Refira-se que Rita Silva tem sido muito crítica da política de Medina, tendo já acusado o seu executivo de "ser o mais liberal de sempre". O combate à especulação imobiliária e àquilo que descreve como "onda de despejos" em Lisboa têm sido os cavalos de batalha da Habita nos últimos anos, depois de se ter dedicado aos despejos dos bairros ditos "de lata".

Robles renunciou ao cargo, depois de considerar que a sua "opção privada", de compra e tentativa de venda de um prédio por 5,7 milhões de euros, em Alfama, Lisboa, "forçada por constrangimentos familiares e no respeito pelas regras legais", acabou por revelar-se "um problema político real e criou um enorme constrangimento" à que seria a sua "intervenção como vereador".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.