Submarino entra no Alfeite a meter água após meses em revisão na Alemanha

Entrada de água num dos tubos lançadores de mísseis e torpedos detetada depois dos trabalhos de revisão intermédia nos estaleiros alemães de Kiel.

Os estaleiros do Arsenal do Alfeite (AA) entraram esta quinta-feira num novo patamar da sua atividade, ao receberem pela primeira vez um submarino da classe Tridente para reparar um tubo lançador de armas onde se detetou a entrada de água.

A operação vai decorrer dentro da garantia e ocorre semanas após o submarino ter regressado dos estaleiros alemães de Kiel, onde esteve vários meses a ser objeto da primeira revisão intermédia, explicou ao DN o porta-voz da Marinha, comandante Pereira da Fonseca.

Essa intervenção na empresa AA, que deve demorar duas semanas, significa que os submarinos da Marinha já não precisam de se deslocar à Alemanha para trabalhos de reparação ou manutenção - com a inerente poupança de custos para o orçamento da Marinha e a canalização para aquela empresa portuguesa das verbas a pagar.

Mas a importância desta primeira docagem de um submarino tecnologicamente complexo como o Tridente levou mesmo à realização de uma cerimónia em que participaram a secretária de Estado da Defesa, Ana Pinto, e o chefe do Estado-Maior da Marinha, almirante Mendes Calado.

Isso envolveu um "acordo estratégico" tripartido entre o AA, a Marinha e o fabricante alemão ThyssenKrupp Marine Systems (TKMS), o qual "começa agora a dar os primeiros passos no âmbito da manutenção e reparação naval", informou a empresa portuguesa.

Em causa está a projeção dos estaleiros portugueses no mercado internacional, como alternativa aos de Kiel, para os países - em África e na América do Sul - que operam submarinos alemães e tendo a certificação técnica do TKMS. Fica por saber se o referido acordo envolveu algum compromisso do fabricante germânico em enviar alguns dos seus clientes para a AA.

A preparação dos estaleiros portugueses para receber e reparar submarinos alemães começou ainda com a sua anterior presidente, Andreia Ventura, ao enviar diversos trabalhadores para Kiel a fim de obterem formação e especialização.

Pelo caminho ficaram os trabalhos de modernização e aumento da doca dos estaleiros, a fim de permitir a realização simultânea de trabalhos num submarino e noutros navios.

Se o Tridente vai ficar docado cerca de duas semanas, a primeira revisão intermédia a que vai ser sujeito o segundo submarino português, o Arpão, demorará mais de um ano - período em que a AA não consegue receber qualquer outro navio na doca, pelo que desiste de novos trabalhos ou os subconcessiona a terceiros (à Naval Rocha, por exemplo, onde o Estado tem uma participação significativa embora minoritária).

Ler mais

Exclusivos