Sócrates pediu abertura de instrução na Operação Marquês

A defesa de José Sócrates pediu a abertura de instrução do processo Operação Marquês. A Procuradoria-Geral da República confirmou ao DN que o requerimento de abertura de instrução do ex-primeiro-ministro "deu entrada na quinta-feira, por email e fax". Mesmo no final do prazo, que acabou na terça-feira, mas podia ser estendido até ontem, mediante o pagamento de multa.

A instrução do processo corresponde a uma fase em que um juiz avalia se há provas suficientes para o caso ir a julgamento ou se é arquivado.

O ex-primeiro-ministro está acusado de 31 crimes, três de corrupção passiva, três de fraude fiscal qualificada, nove de falsificação de documentos e 16 de branqueamento de capitais.

José Sócrates junta-se, assim, a uma vasta lista de arguidos no processo Operação Marquês, que requereram a abertura de instrução ao longo desta semana.

Foi o caso de Henrique Granadeiro, Zeinal Bava, Carlos Santos Silva, do antigo ministro socialista Armando Vara, e a filha, Bárbara Vara, Joaquim Barroca (do Grupo Lena), Sofia Fava (ex-mulher de Sócrates), Rui Mão de Ferro (empresário e amigo de longa data de Sócrates), o advogado Gonçalo Ferreira, Hélder Bataglia (antigo homem forte do grupo ESCOM, ligado ao BES), Diogo Gaspar (antigo diretor executivo do empreendimento Vale de Lobo), José Paulo Pinto de Sousa (primo de Sócrates), a empresa Pepelan, o grupo Lena e a sociedade Vale do Lobo Resort Turístico de Luxo.

Já Ricardo Salgado não pediu a abertura de instrução, alegando não ter condições de defesa. De acordo com o requerimento do antigo homem forte do BES, divulgado pela Lusa, há "um justo impedimento para o exercício do direito de defesa", na medida em que está impossibilitado de aceder em "condições de segurança aos ficheiros das escutas telefónicas que lhe foram disponibilizados pelo próprio Ministério Público".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.