Santana Lopes recorda "visão cosmopolita" do empresário Pedro Queiroz Pereira

Segundo a revista Exame, era detentor de uma fortuna avaliada em 779 milhões de euros (em conjunto com a mãe), o que fazia dele o sétimo mais rico do país.

O político Santana Lopes recordou hoje Pedro Queiroz Pereira, que faleceu aos 69 anos, como um empresário de "visão cosmopolita" que "acrescentou valor" à economia portuguesa.

"Enquanto empresário de visão cosmopolita, acrescentou valor à economia portuguesa, criou emprego e contribuiu largamente para os resultados positivos das exportações nacionais", disse Santana Lopes numa nota enviada à comunicação social.

Para o antigo primeiro-ministro, a morte de Queiroz Pereira junta-se à de outros "nomes cimeiros" da economia nacional, o que "deve estimular" o Estado, a iniciativa privada e a economia social a "honrar as suas obras, fazendo com que se crie mais riqueza nacional para distribuir com mais justiça social".

Santana Lopes frisou ainda que aquilo que o empresário construiu "perdurará" muito além de hoje.

"Expresso muito pesar por tão grande perda", concluiu.

O empresário Pedro Queiroz Pereira, um dos mais importantes de Portugal, dono da Navigator (antiga Portucel) e da cimenteira Secil morreu este sábado, aos 69 anos, noticiou hoje a edição 'online' do Expresso.

Segundo a revista Exame, era detentor de uma fortuna avaliada em 779 milhões de euros (em conjunto com a mãe), o que fazia dele o sétimo mais rico do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.