Santana Lopes esclarece jantar com amigos

O DN recebeu de Pedro Santana Lopes uma carta ao diretor sobre o futuro da sua vida política, em resposta ao artigo "Santana sai do PSD sem arrastar figuras de peso. Ex-apoiantes zangados".

Senhor Diretor Ferreira Fernandes

Com toda a consideração por Vossa Excelência e pelo jornal que dirige, venho solicitar que publique um desmentido a um texto da jornalista Paula Sá hoje [DN de 9 de agosto]] publicado na primeira página do DN.

Conheço - a há muitos anos e considero - a muito profissionalmente.

A jornalista Paula Sá tem tentado muito, nestas últimas semanas, contactar comigo mas eu já lhe fiz saber que entendo não ser a altura adequada. Quando entender que estão reunidas as condições para o efeito, será certamente um dos primeiros jornalistas para quem estarei inteiramente disponível.

O texto publicado pelo DN funda-se efectivamente em factos que não são verdadeiros.

Não promovi jantar nenhum para o efeito referido na notícia do DN. Como já referi publicamente, as minhas decisões sobre o futuro da minha vida política foram tomadas por mim, tendo apenas auscultado o sentimento da minha Família e dado a conhecer os meus propósitos à Conceição Monteiro.

Janto com os meus amigos regularmente, muito naturalmente, mas o texto da notícia do DN não encontra qualquer colagem com a realidade.

Continuo a pensar e a trabalhar, e não estou nada só, na forma de intervir na vida pública no Futuro.

E haverá certamente notícias interessantes para o domínio público, dentro em breve. O DN há-de recebê-las em primeira mão, dado o interesse demonstrado pelo assunto.

Desejando a melhor sorte para este novo ciclo de tão prestigiado Órgão de Comunicação apresento os meus Melhores cumprimentos

PSL

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.