Santana apela à participação das mulheres na política

O líder da Aliança, a poucas horas de ter fechado as listas para os órgãos nacionais, fez um apelo à participação das mulheres na política, admitindo que há sempre mais homens representados.

No momento em que ainda decorre a votação para os órgão nacionais da Aliança, Pedro Santana Lopes confessou as dificuldades na elaboração das listas. "Há alguns zangados, nunca se consegue lugar para todos", admitiu. E lamentou que não haja mais participação das mulheres.

Justificou ainda a opção por ter um Senado no partido, em vez de um Conselho Nacional, com a ideia de tenta "reforçar a coesão social", já que este órgão com 30 membros eleitos terá ainda representantes do partido de todos os distritos. "Deveria haver uma câmara alta no país, com representação de parcelas do território e para amadurecer os grandes temas nacionais. Portugal até tem uma sala do Senado, é pena os preconceitos".

O facto de ter várias figuras na direção nacional do partido que saíram do PSD - casos de Martins da Cruz, Rosário Águas e Luís Cirilo - não o preocupa "Acho que está equilibrado", disse.

Justificou ainda o motivo pelo qual não convidou, como é hábito nos outros congressos, os partidos para assistirem ao encerramento. Considerou desagradável que estejam presentes a ouvir críticas no congresso a aplaudi-las. "Isso é da velha política e deve acabar!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.