Rui Rio: "Procurarei ao máximo adiar o espírito eleitoral"

Equipado, com chuteiras já gastas, camisola 7, pronto para o torneio de futebol da festa do Pontal, o líder do PSD garantiu que vai tentar ao máximo não antecipar o espírito" do combate eleitoral. No jogo, Rio marcou dois golos e falhou um penálti

Pouco tempo antes de entrar no torneio de futebol 7, disputada no Vale Garrão, Algarve, Rui Rio garantia aos jornalistas que apesar dos desafios de 2019 tudo fará para que o combate eleitoral não seja antecipado. "Se eu defendo que as legislaturas devem ter cinco anos, passavam a ter três", disse em tom crítico."Vou procurar que assim não seja".

Quanto às críticas que lhe fizeram por ter cortado os custos na Festa do Pontal e a ter reduzido a um encontro popular, feito de jogos e um piquenique em Querença, Rio voltou a censurar os gastos excessivos de anos anteriores. Exemplificou com "o espetáculo degradante" do que aconteceu em 1995, quando o PSD no Pontal mediu forças com o PS na Pontinha. "Para ver quem tinha mais militantes", trazidos de camionetas de vários pontos do país". Defendeu que está a seguir o modelo de quando era secretário-geral do partido no consulado de Marcelo Rebelo de Sousa.

"Se isto fosse uma rentrée, eu teria uma sortie", gracejou contra a ideia de que a festa popular do PSD seja um pontapé de saída para o ano político. Defendeu que o convívio entre militantes também faz parte da "vida".

Rio prepara-se para entrarem jogo com a camisola 7, o número mágico de Cristiano Ronaldo. "Vai ser o melhor em campo?" - disparou um jornalista. "Seguramente que não", admitiu Rio. Mas no campo bem se está a esforçar para dar uma abada à equipa adversária, de membros do Conselho Estratégico Nacional, que jogam contra a da direção do partido e figuras destacadas, como o comissário europeu Carlos Moedas,

O eurodeputado Paulo Rangel, que ficou a ver o jogo, gracejou à chegada ao campo de treinos de uma unidade hoteleira de Vale Garrão: "Esta é a reconciliação do dr. Rui Rio com o futebol. O Pinto da Costa que não saiba disto". Rangel fazia assim apelo aos anos de autarca de Rio, quando entrou em guerra com o FC Porto.

No jogo, Rui Rio fez dois golos, mas a sua equipa perdeu por 7-5. O líder do PSD falhou ainda um penálti. "Fui corredor de 100 metros e para isso é preciso ter força, mas aqui o arranque já não é fácil", afirmou sobre a sua prestação.

Já na questão da Procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, recusa marcar golo no assunto e remete a decisão para António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa.

Direção em peso no campo

O torneio começou por volta das 10.00 entre quatro equipas. Pelo menos no torneio, o líder do partido jogará na posição em que o líder da distrital de Faro o gostaria de ver. Na equipa da direção, Rui Rio será médio-ofensivo, com o número 7 - o mesmo que usa Cristiano Ronaldo -, enquanto o vogal da direção Maló de Abreu será o guarda-redes, replicando a posição do seu irmão, João Maló, na Académica na década de 60.

O secretário-geral José Silvano, o líder parlamentar Fernando Negrão, o vice-presidente Morais Sarmento e os antigos governantes Miguel Poiares Maduro e Carlos Moedas fazem também parte da equipa da direção, que inclui uma mulher, a vogal da Comissão Política Nacional Cláudia André.

Destaque na equipa do Conselho Estratégico Nacional (CEN) para o "guarda-redes" David Justino, que é também vice-presidente do partido, e na dos autarcas de Salvador Malheiro, outro vice do PSD, e do presidente da concelhia e distrital do Porto, Alberto Machado.

Até o árbitro será do PSD: o deputado Rui Silva, que já jogou futebol profissional, terá a responsabilidade de arbitrar os jogos entre os dirigentes nacionais e os membros do CEN, que decorrerá em simultâneo com a disputa entre autarcas e dirigentes algarvios, disputando-se depois os jogos entre os vencedores e os derrotados de ambas as partidas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.