RIR. O novo partido de Tino de Rans

Ex-presidente da junta de Rans, que ganhou fama num congresso do PS, vai formalizar esta terça-feira um novo partido, no Tribunal Constitucional

Reagir, Incluir e Reciclar. São as três palavras de ordem que formam o acrónimo RIR, do novo partido que Vitorino da Silva, o popular Tino de Rans, vai apresentar terça-feira, com a entrega de 7500 assinaturas no Tribunal Constitucional.

"O RIR é um partido político que nasceu com o propósito integrador de aproximar os cidadãos da política e vice-versa. A sigla do partido é por si só uma mensagem de ação política", diz o partido em comunicado, citado pelo Público.

"A democracia está ameaçada, a abstenção eleitoral é cada vez mais elevada, há um grande afastamento entre os políticos e os cidadãos, é urgente reagir, é preciso incluir os cidadãos nas decisões políticas e reciclar o poder do voto, o poder dos eleitores", acrescenta o comunicado.

O político de 47 anos, calceteiro de profissão e ex-presidente de Junta de Rans, do concelho de Penafiel, que ficou famoso a partir da intervenção num congresso do PS, em 1999, foi também candidato nas últimas eleições presidenciais, que elegeram Marcelo Rebelo de Sousa, e recebeu cerca de 150 mil votos.

Tino de Rans será o cabeça de lista pelo Porto às próximas eleições legislativas. Margarida Ferreirinha Loureiro e Marinei de Dias são os dois primeiros nomes por Lisboa. O RIR avalia ainda se vai ou não concorrer às eleições europeias de maio próximo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.