Rio diz que em "equipa que ganha não se mexe" e homenageia Jardim

O presidente do PSD, Rui Rio, lembrou neste domingo, na festa dos sociais-democratas madeirenses, na Herdade do Chão da Lagoa, que em equipa que ganha não se deve mexer e prestou homenagem ao ex-chefe do governo regional, Alberto João Jardim.

"Não sou muito ligado às lides desportivas, mas vou terminar com uma frase tirada do futebol", disse Rui Rio, avisando os madeirenses de que "em equipa que ganha não se mexe".

"Em equipa que ganha não se mexe, e a Madeira é uma equipa que ganha, a Madeira é uma equipa que ganha há mais de 40 anos, e, portanto, acho que os madeirenses percebem bem que não podem entrar em aventuras, não podem correr riscos, devem continuar na senda do desenvolvimento que sempre conheceram desde a autonomia", declarou.

"Miguel Albuquerque vai continuar a ser presidente do Governo Regional da Madeira e vai continuar a desenvolver a região", vaticinou.

Num discurso todo virado para a realidade regional - reiterando as críticas contra o valor das taxas de juro cobradas pelo Estado à região; contra o tratamento da TAP com os passageiros da Madeira com os sucessivos cancelamentos por condições operacionais; contra o valor e o modelo atual do subsídio de mobilidade aérea entre Madeira e continente que deveria ter sido revisto em 2016 -, Rui Rio prestou homenagem ao ex-líder do PSD e ex-presidente do governo regional durante 38 anos.

"Vou fazer aqui, no Chão da Lagoa, mas poderia fazer em qualquer outra parte do país, que é uma saudação ao homem que não é da Madeira, é de Portugal, que é uma referência da social-democracia em Portugal, que é o Dr. Alberto João Jardim, um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento da ilha da Madeira", disse no palco.

"Eu não sei - continuou - se todos os portugueses já imaginaram o que isto que era se, em vez de um Alberto João Jardim, nós tivéssemos tido quatro ou cinco Alberto João Jardins por esse país fora, o que não era Portugal hoje face àquilo que é."

Para Rui Rio, a obra de Alberto João Jardim "é um orgulho da Madeira, de Portugal e da União Europeia".

Manifestando a sua satisfação por participar, como líder do partido, na festa do Chão da Lagoa, Rui Rio realçou que "não há líder do PSD que consiga chegar a primeiro-ministro de Portugal sem passar pelo Chão da Lagoa".

"Por isso - observou -, a partir de hoje já tenho possibilidades de dizer que poderei ser primeiro-ministro de Portugal."

Alberto João Jardim, que desde 2016 não participava na festa da Herdade do Chão da Lagoa coincidindo com o período "consular" de Pedro Passos Coelho, percorreu hoje, juntamente com o presidente do governo regional, Miguel Albuquerque, e com o presidente do PSD nacional, Rui Rio, as tradicionais barracas da festa e assistiu ao comício junto do povo apesar de o líder nacional o ter convidado para o palco.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.