Rui Rio acusa Centeno de desmentir "discurso oficial do Governo"

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta terça-feira que as declarações do ministro das Finanças na segunda-feira mostram que o discurso oficial do Governo do milagre económico e do fim da austeridade "não é verdade".

"O que ele [o ministro das Finanças, Mário Centeno] está a dizer é que o discurso oficial do Governo não é verdade. Porque agora faz uma coisa exatamente ao contrário. Na hora da verdade, não tem dinheiro para isto, não tem dinheiro para aquilo, não tem dinheiro para aqueloutro", disse Rui Rio, que reagia à entrevista do ministro das Finanças ao Público na segunda-feira na qual advertiu os partidos de que "não é possível pôr em causa a sustentabilidade de algo que afeta todos, só por causa" da contabilização do tempo de serviço dos professores.

Rui Rio referiu-se ao "discurso do Governo" do "milagre económico", de que "a economia está fantástica, que a austeridade acabou" para concluir que, na entrevista, o ministro das Finanças "está a dizer que nada disso é verdade".

"O nosso povo costuma dizer que 'se apanha mais depressa um mentiroso do que um coxo' e o discurso oficial do Governo do milagre económico e de que acabou a austeridade está comprovado que não é assim"

Apesar disso, o líder social-democrata manifestou-se de acordo com a posição de Centeno, considerando que o Orçamento do Estado "tem de ser uma peça equilibrada e Portugal não pode voltar a cometer os erros que cometeu no passado".

"Uma coisa é termos isso em atenção, que é o que decorre da entrevista. Outra coisa é em que medida a entrevista e o discurso da entrevista batem certo com o discurso oficial do Governo, que promete aquilo que não pode prometer, em que se compromete com aquilo que não se pode comprometer, em que dá esperanças às pessoas e a determinadas camadas profissionais que depois não está capaz de dar", vincou.

Para Rui Rio, "metade do Governo está a fazer o discurso de uma maneira e outra metade a fazer de outra".

O líder do PSD falava aos jornalistas no final de uma visita aos Jogos Europeus Universitários 2018, que decorrem em Coimbra.

Questionado sobre a desvinculação da Câmara do Porto, liderada por Rui Moreira, das decisões da Associação Nacional de Municípios Portugueses, devido ao acordo de descentralização feito com o Governo, Rui Rio optou por não comentar aquele caso concreto, frisando apenas que a transferência de competências para as autarquias "não é nada de obrigatório neste mandato autárquico".

"As câmaras que quiserem assumem as competências e correspondentes envelopes financeiros, as câmaras que não quiserem não assumem. A obrigatoriedade é apenas a partir do próximo ato eleitoral", acrescentou, sublinhando que é "muito difícil arranjar uma decisão mais equilibrada e sensata" do que o acordo de descentralização feito com o Governo.

"Quem não gosta não gosta", salientou, referindo que as autarquias que achem que o dinheiro é pouco "não aceitam" a transferência de competências.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.