Reitor da Universidade Gregoriana condecorado com Ordem de Santiago

Padre Nuno da Silva Gonçalves é agraciado esta tarde no Palácio de Belém

Será na tarde desta segunda-feira pelas 16h30, no Palácio de Belém, que o reitor da Universidade Gregoriana em Roma será agraciado por Marcelo Rebelo de Sousa como Grande Oficial da Ordem de Santiago da Espada, vendo reconhecidos os seus méritos científicos.

Esta condecoração está ligada à missão que o Padre Nuno da Silva Gonçalves assumiu nome da Companhia de Jesus em diferentes instituições como o Instituto Nun"Álvres, revista Brotéria, Faculdade de Filosofia de Braga e, atualmente, a Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma.

"Sinto esta condecoração como um encorajamento pessoal mas, sobretudo, como um reconhecimento do mérito das várias instituições que procurei e procuro servir o melhor possível", disse o atual reitor em declarações ao portal dos jesuítas.

O jesuíta foi o primeiro director do Secretariado Nacional Bens Culturais da Igreja em Portugal (entre abril de 1998 e outubro de 1999). Entrou para a a Companhia de Jesus em outubro de 1975 e apesar de diversos anos em cargos de direção, dedicou longos períodos da sua vida à investigação. A sua tese de doutoramento, publicada pela Brotéria em 1996, estudou a missão dos jesuítas em Cabo Verde. Além disso, abordou nas suas investigações temas como a escravatura e a missionação no Oriente. Parte do reconhecimento que constitui a condecoração atribuída está ligada à sua dedicação a este campo da investigação histórica.

D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal, acompanhou o trabalho do P. Nuno no Centro de Estudos de História Religiosa, considerando "notável a sua colaboração, sempre com prontidão e competência".

Como presidente da Conferência Episcopal afirma que "o país muito ganha com o reconhecimento internacional da sua personalidade e prestação. Pela primeira vez, temos um compatriota à frente da tão justamente prestigiada Pontifícia Universidade Gregoriana", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.