PS/Madeira quer ouvir vereador sobre garantia de segurança da Festa do Monte

Em 2017 uma árvore de grande porte caiu sobre uma multidão que se preparava para participar numa procissão

Os deputados do PS/Madeira anunciaram esta quarta-feira ter requerido uma audição parlamentar ao vereador do município do Funchal com o pelouro da Proteção Civil para abordar as condições de garantia de segurança para a realização da Festa do Monte.

Na informação divulgada, o grupo parlamentar socialista na Assembleia Legislativa da Madeira adianta que pretende ouvir João Pedro Vieira na sequência das audições que têm decorrido em sede da Comissão Especializada Permanente da Saúde e Assuntos Sociais relacionadas com a "análise e garantia das condições de segurança necessárias para a realização do Arraial da Nossa Senhora do Monte", a padroeira da ilha.

No ano passado, no decorrer da festa, uma das maiores da Madeira, uma árvore de grande porte caiu sobre o Largo da Fonte, provocando 13 mortos e ferimentos em dezenas de pessoas. A festa decorre nos dias 14 e 15 deste mês.

No documento, os deputados do PS da Madeira alegam "as dúvidas que têm sido levantadas e as informações contraditórias prestadas no âmbito das audições, nomeadamente relativas aos procedimentos adotados pela Câmara [do Funchal] relativamente às festas em honra da Nossa Senhora do Monte".

No mesmo documento, acrescentam que "exigem que a autarquia tenha oportunidade de clarificar o que efetivamente foi feito, de forma a tranquilizar a população do Monte e de toda a região relativamente a esta matéria".

No entender dos deputados socialistas insulares, "estes assuntos que têm sido analisados são sobretudo do âmbito da Proteção Civil e Fiscalização Municipal", pelo que consideram fazer "todo o sentido terminar estas audições com a presença do vereador que tem essas responsabilidades na Câmara Municipal do Funchal".

Também argumentam que "sem essa audição não será possível clarificar todos os procedimentos adotados por todas as entidades envolvidas", motivo pelo qual apontam que o vereador responsável pelos pelouros da Proteção Civil e Fiscalização Municipal do Funchal "deve ser ouvido no Parlamento Regional, a fim de prestar esclarecimentos sobre a matéria em apreço, pelo que se propõe a apreciação deste requerimento ainda esta semana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.