PSD sugeriu e PS pode comprar uma nova comissão de inquérito à CGD

Os socialistas admitem propor uma comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), depois de Rui Rio ter avançado com essa ideia. O CDS acusa PS, PCP e BE de terem "bloqueado" a anterior.

O líder do PSD admitiu esta segunda-feira que o PSD poderá pedir uma nova comissão de inquérito parlamentar à Caixa Geral de Depósitos e foi seguido pelos socialistas esta manhã de terça-feira. No Fórum da TSF, o deputado socialista João Paulo Correia admitiu que a comissão "fará sentido" se for entregue à Assembleia da República a auditoria da EY e a promulgação por parte de Marcelo Rebelo de Sousa do diploma que permite às comissões de inquérito aceder a todas as informações que solicitem aos bancos.

"Se essas duas condições estiverem reunidas, o PS apresentará essa proposta para uma nova comissão parlamentar", afirmou João Paulo Correia. O coordenador socialista para os assuntos económicos mudava assim de posição, já que recentemente tinha dito ao Expresso que haveria prazos antes das eleições legislativas para desencadear uma comissão desta natureza.

O deputado do PSD, Duarte Pacheco, que também foi um dos intervenientes no Fórum da TSF, reiterou a posição de Rui Rio de que a comissão de inquérito faz todo o sentido, ainda mais se o governo resistir a entregar o relatório.

A auditoria que o deputado socialista se refere, feita pela EY, diz respeito à gestão da CGD entre 2000 e 2015. O relatório final não foi disponibilizado ao Parlamento, mas uma versão preliminar aponta para irregularidades na forma como foram concedidos créditos por parte de várias administrações do banco público.

Assunção acusa PS. PCP e BE

A encerrar as jornadas parlamentares do CDS, a líder do partido manifestou-se "perplexa" com a posição do PS e disparou contra os socialistas, bloquistas e comunistas: "Há dois anos, em janeiro de 201/, estava o PS, PCP e BE a fechar uma comissão de inquérito. A bloquear que os deputados tivessem acesso à lista dos grandes devedores da CGD, os que aparecem agora na lista da auditoria".

Assunção Cristas garantiu que o CDS estará sempre ao lado "dos que querem saber tudo" e dos que "não têm medo das consequências". Colocou ainda assim reticências na possibilidade de avançar uma nova comissão de inquérito a poucos meses das eleições legislativas. "Mas há tempo para a descoberta da verdade. Esperemos que a auditoria chegue ao Parlamento".

PCP rejeita novo inquérito

Os comunistas rejeitam a possibilidade de uma nova comissão de inquérito. "Não faz nenhum sentido criar uma nova comissão de inquérito. Há responsabilidades políticas apuradas, nomeadamente dos três partidos que ocuparam lugares na administração da Caixa Geral de Depósitos, nos sucessivos governos que a tutelaram - PS, PSD e CDS", diz o partido liderado por Jerónimo de Sousa.

O PCP entende que eventuais responsabilidades pessoais e possivelmente criminais devem ser apuradas pelos orgãos judiciais, nomeadamente o Ministério Público, que está em poder do relatório da auditoria. Não cabe ao Parlamento apurar responsabilidades criminais.

Ler mais

Exclusivos