PSD e CDS receberam 100 mil euros sem ter direito

Entidade que fiscaliza as contas dos partidos e das campanhas eleitorais contesta decisão do Parlamento de pagar a subvenção pública aos dois partidos pela campanha eleitoral em 2015.

O relatório de contas da campanha de 2015, segundo a TSF, refere que está em causa a candidatura isolada do PSD e CDS aos círculos da Madeira e dos Açores nas legislativas de 2015, eleições a que a nível nacional concorreram coligados.

A Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, que funciona junto do Tribunal Constitucional, considera que a lei é clara e só têm direito à subvenção os partidos que se candidatem a pelo menos 51% dos lugares no Parlamento, sendo que, isoladamente, o CDS só concorreu a 2,6% e o PSD a 4,8%.

Para a Entidade não faz sentido somar as candidaturas isoladas às que foram em coligação no resto do país, caso contrário os partidos das coligações "concorreriam, no seu somatório, ao dobro ou triplo dos mandatos previstos para cada círculo". Manifesta-se impotente para contrariar o pagamento das subvenções, que são de decisão da Asembleia da República, mas considera "absurdo" que tenham sido atribuídas aos dois partidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...