PS quer ouvir secretárias-gerais dos serviços secretos e das polícias

Furto aos paióis de Tancos justifica requerimento entregue na Comissão parlamentar de Defesa.

Os deputados do PS requereram esta terça-feira a audição "com caráter de urgência" das secretárias-gerais dos sistemas de Informações e da Segurança Interna "sobre um possível" furto aos paióis de Tancos.

O antecessor de Graça Mira Gomes como responsável pelos Sistema de Informações da República (SIRP) já foi ouvido no Parlamento em julho passado sobre o furto de material de guerra nos paióis do Exército em Tancos, a exemplo da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda.

O furto de material de guerra em Tancos foi descoberto no final de junho de 2017, tendo desaparecido lança-granadas anticarro, explosivos e granadas de mão ofensivas, além de outro material utilizado em instrução.

O material acabaria por ser devolvido algumas semanas depois, deixando num descampado próximo da Chamusca durante uma noite e madrugada de fortes chuvadas.

O Exército anunciou então que os responsáveis pelo furto tinham devolvido uma caixa com uma centena de petardos que não constava dos registos dos paióis.

O CDS também requereu esta terça-feira a audição "com a maior urgência" do chefe do Estado-Maior do Exército, "para um cabal esclarecimento das informações" dadas em tribunal pelo Ministério Público e que "contrariam as afirmações prestadas" pelo general Rovisco Duarte aquando da recuperação do material furtado.

Em causa o facto de o general ter anunciado a recuperação de todo o material quando o Ministério Público afirma haver explosivos e granadas ainda na posse de desconhecidos.

O PS, devido a essas informações noticiadas sábado pelo Expresso "sobre um possível 'Assalto aos paióis de Tancos'", requereu agora a audição daquelas duas responsáveis dos serviços secretos e das policias sobre "as suas implicações na segurança nacional".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.