PS quer ouvir secretárias-gerais dos serviços secretos e das polícias

Furto aos paióis de Tancos justifica requerimento entregue na Comissão parlamentar de Defesa.

Os deputados do PS requereram esta terça-feira a audição "com caráter de urgência" das secretárias-gerais dos sistemas de Informações e da Segurança Interna "sobre um possível" furto aos paióis de Tancos.

O antecessor de Graça Mira Gomes como responsável pelos Sistema de Informações da República (SIRP) já foi ouvido no Parlamento em julho passado sobre o furto de material de guerra nos paióis do Exército em Tancos, a exemplo da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda.

O furto de material de guerra em Tancos foi descoberto no final de junho de 2017, tendo desaparecido lança-granadas anticarro, explosivos e granadas de mão ofensivas, além de outro material utilizado em instrução.

O material acabaria por ser devolvido algumas semanas depois, deixando num descampado próximo da Chamusca durante uma noite e madrugada de fortes chuvadas.

O Exército anunciou então que os responsáveis pelo furto tinham devolvido uma caixa com uma centena de petardos que não constava dos registos dos paióis.

O CDS também requereu esta terça-feira a audição "com a maior urgência" do chefe do Estado-Maior do Exército, "para um cabal esclarecimento das informações" dadas em tribunal pelo Ministério Público e que "contrariam as afirmações prestadas" pelo general Rovisco Duarte aquando da recuperação do material furtado.

Em causa o facto de o general ter anunciado a recuperação de todo o material quando o Ministério Público afirma haver explosivos e granadas ainda na posse de desconhecidos.

O PS, devido a essas informações noticiadas sábado pelo Expresso "sobre um possível 'Assalto aos paióis de Tancos'", requereu agora a audição daquelas duas responsáveis dos serviços secretos e das policias sobre "as suas implicações na segurança nacional".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.