PS quer impedir abusos no recurso ao período experimental

Bancada socialista quer travar a possibilidade das empresas recorrerem sucessivamente ao período experimental para o mesmo posto de trabalho.

O líder parlamentar socialista já tinha anunciado que o grupo parlamentar do PS ia tentar melhorar o acordo conseguido entre governo e parceiros sociais sobre as leis laborais. Carlos César não abriu o jogo, mas o Jornal de Negócios, avança que uma das alterações que a bancada quer fazer diz respeito ao alargamento do período experimental para 18 meses.

Segundo o jornal, o PS quer evitar que o mesmo posto de trabalho seja sucessivamente ocupado por trabalhadores dispensados nesse período experimental. As alterações serão propostas durante o debate na especialidade, tanto mais que a proposta do governo descerá a comissão sem ter sido votada em plenário. Isto porque a proposta vai a debate esta sexta-feira no Parlamento, ainda durante o período obrigatório de discussão pública.

Em causa nesta alteração que o PS quer fazer está uma das medidas mais polémicas do pacote acordado entre o governo e os parceiros sociais, que é o alargamento do período experimental para 180 dias no caso de trabalhadores à procura do primeiro emprego e dos desempregados de longa duração.

O alargamento foi decidido com os patrões como contrapartida às limitações à contratação de trabalhadores com este perfil. Uma medida que é fortemente contestada pelos partidos que apoiam o governo no Parlamento, PCP e Bloco de Esquerda. PSD já fez saber que não inviabilizará o acordo celebrado na Concertação Social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.