PS quer impedir abusos no recurso ao período experimental

Bancada socialista quer travar a possibilidade das empresas recorrerem sucessivamente ao período experimental para o mesmo posto de trabalho.

O líder parlamentar socialista já tinha anunciado que o grupo parlamentar do PS ia tentar melhorar o acordo conseguido entre governo e parceiros sociais sobre as leis laborais. Carlos César não abriu o jogo, mas o Jornal de Negócios, avança que uma das alterações que a bancada quer fazer diz respeito ao alargamento do período experimental para 18 meses.

Segundo o jornal, o PS quer evitar que o mesmo posto de trabalho seja sucessivamente ocupado por trabalhadores dispensados nesse período experimental. As alterações serão propostas durante o debate na especialidade, tanto mais que a proposta do governo descerá a comissão sem ter sido votada em plenário. Isto porque a proposta vai a debate esta sexta-feira no Parlamento, ainda durante o período obrigatório de discussão pública.

Em causa nesta alteração que o PS quer fazer está uma das medidas mais polémicas do pacote acordado entre o governo e os parceiros sociais, que é o alargamento do período experimental para 180 dias no caso de trabalhadores à procura do primeiro emprego e dos desempregados de longa duração.

O alargamento foi decidido com os patrões como contrapartida às limitações à contratação de trabalhadores com este perfil. Uma medida que é fortemente contestada pelos partidos que apoiam o governo no Parlamento, PCP e Bloco de Esquerda. PSD já fez saber que não inviabilizará o acordo celebrado na Concertação Social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.