PS acusa Rio de ausência de propostas e espera contributo do PSD para o Orçamento

Maria Antónia Almeida Santos reagiu ao discurso de Rui Rio no pontal

A porta-voz do PS acusou este sábado o presidente do PSD, Rui Rio, de "total ausência de propostas para o país" e afirmou esperar que os sociais-democratas venham a "contribuir para um bom Orçamento do Estado" para 2019.

Maria Antónia Almeida Santos falava em declarações aos jornalistas, na sede nacional do PS, em Lisboa, em reação ao discurso do presidente do PSD, Rui Rio, hoje à tarde, na Festa do Pontal, em Loulé, no Algarve.

"O que realça da intervenção que hoje fez no convívio do PSD é a total ausência de propostas para o país. Para quem diz que coloca Portugal à frente do seu próprio partido, a intervenção que hoje fez é a completa antítese desse princípio", considerou.

A porta-voz da Comissão Permanente do PS sustentou que "a principal preocupação do doutor Rui Rio é ainda ganhar o seu próprio partido", e que por isso "o cerne do seu discurso foi virado para dentro, para as questões internas", ressalvando: "Obviamente que esse assunto não nos merece nenhum comentário".

"Depois da desilusão de hoje e da total ausência, repito, de propostas, esperamos sinceramente que o PSD inverta este vazio de ideias, de propostas, e que possa a breve prazo contribuir para um bom Orçamento do Estado para o próximo ano", acrescentou.

Em resposta a questões dos jornalistas, a deputada e dirigente nacional socialista insistiu neste ponto: "Foi evidente que, de facto, [Rui Rio] está ainda virado para dentro. Faço votos para que o PSD possa vir a debate já agora no próximo Orçamento do Estado e possa contribuir de forma substancial para melhorarmos ainda mais o cenário em que nos movemos todos neste país e com tão bons resultados que temos conseguido até agora, que são para continuar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.