Marcelo quer mais prevenção dos acidentes na estrada

O Presidente da República faz hoje um apelo cívico aos portugueses para o combate à sinistralidade rodoviária no país, cujos números tornaram a aumentar este ano ano, depois de uma diminuição sustentada desde 2010

Marcelo Rebelo de Sousa assinala hoje o Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada com uma mensagem no site da Presidência da República, recordando que os "dados mais recentes revelaram a lamentável inversão da tendência de decréscimo, desde 2010, dos acidentes rodoviários e vítimas mortais"

Trata-se de "uma preocupação nacional", que "deverá refletir uma aposta na prevenção, na educação e na sinalização", afirma na sua comunicação.

O Presidente agradece "a todos os que, diariamente, lidam de forma empenhada com as consequências traumáticas dos acidentes rodoviários" e faz um pedido aos cidadãos, "apelando a todos os portugueses, para que, em respeito das regras e com consciência cívica, contribuam para um ambiente rodoviário mais responsável e mais seguro".

Marcelo Rebelo de Sousa lembra que o dia mundial em memória das vítimas da estrada é assinalado desde 2004 pela Liga de Associações "Estrada Viva", e associa-se à "homenagem pública a todos os que, tragicamente, perderam a vida nas estradas" e recordando "todos aqueles" que "perderam a sua saúde, um familiar, um amigo".

"A sinistralidade rodoviária tem uma trágica e imensa dimensão para todos os que, diretamente, vivem com as memórias dolorosas, na maior parte das vezes permanentes, causadas pela privação traumática de alguém próximo. É um problema grave à escala mundial, mas também à escala nacional", escreve na nota colocada no site da Presidência da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.