Marcelo galardoado com prémio Fernández Latorre. "Sinto-me profundamente honrado"

O Presidente da República foi distinguido com o prémio Fernández Latorre pelo "seu contributo para a promoção das relações bilaterais entre Espanha e Portugal". Pela primeira vez, o galardão é entregue a um chefe de Estado estrangeiro

"Sinto-me profundamente honrado, porque é a primeira vez que é concedido a um chefe de Estado estrangeiro", afirmou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, depois de saber que foi galardoado com o prémio Fernández Latorre, atribuído em memória do fundador do jornal La Voz de Galicia , pela promoção das relações bilaterais entre Espanha e Portugal.

Em entrevista ao jornal La Voz de Galicia, o chefe de Estado português destaca a importância desta distinção. "Prémio Fernández Latorre honra um dos mais importantes nomes da imprensa galega. Serve para nos recordar a centralidade de valores como a liberdade de opinião e de imprensa, pilares essenciais para a vitalidade e o futuro das nossas sociedasdes democráticas", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que desde 1965 e até ser eleito Presidente da República, em 2016, colaborou regularmente em diferentes meios de comunicação, tendo estado à frente de "vários jornais portugueses de prestigio, como o semanário Expresso". "Por isso não podia estar mais honrado com esta distinção num momento em que a imprensa europeia atravessa tantos e tão diversificados desafios".

Para o Presidente da República, o prémio é "um sinal da profunda amizade que une Espanha a Portugal, e que torna a nossa relação com Galiza única e especial".

A distinção foi decidida por unanimidade pelo Conselho de Curadores do galardão, que tem um valor de 10 mil euros

Segundo o jornal galego, a distinção de Marcelo Rebelo de Sousa, na 60.ª edição deste prémio, "foi concedida em reconhecimento do seu contributo para a promoção das relações bilaterais entre a Espanha e Portugal" e decidida por unanimidade pelo Conselho de Curadores do galardão, que tem um valor de 10 mil euros.

Marcelo é descrito como "um incansável promotor" das relações bilaterais ibéricas

Na sua decisão, o júri considerou que personalidades como o chefe de Estado português fizeram com que as relações transfronteiriças entre Espanha e Portugal sejam agora "um modelo de coesão" para a União Europeia.

"Sempre fui assim; otimista, lutador, persistente, trabalhador e muito ativo"

Marcelo Rebelo de Sousa é descrito como "um incansável promotor" das relações bilaterais ibéricas, desde os seus tempos de comentador televisivo.

Questionado pelo jornal sobre qual é o seu segredo para tanta energia e vitalidade, o Presidente da República responde que é a sua maneira de ser. "Sempre fui assim; otimista, lutador, persistente, trabalhador e muito ativo".

"As pessoas sabem que não se muda de maneira de ser, muito menos na minha idade, prestes a completar 70 anos [a 12 de dezembro]. Talvez ajude que, apesar do cargo e dos compromissos, continuo a viver na minha casa de sempre, mantenho as minhas rotinas e todos os dias banho-me no Atlântico", destacou Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa deverá receber o prémio no último trimestre deste ano, entregue pelo rei de Espanha, Felipe VI, em data a acertar.

Para o Presidente da República, Portugal e Espanha têm que "levar mais longe" a relação bilateral

Aguarda "com expectativa" a visita à Galiza, que conhece "muito bem desde criança". "A Galiza tem com Portugal uma rica, diversificada e multifacetada relação. Basta recordar que o peso da Galiza nas nossas exportações supera o Brasil".

Marcelo quer, no entanto, "levar mais longe" os intercâmbios entre Portugal e Espanha em diversas áreas, "como a economia, a cultura, o património e o turismo".

O Presidente da República deslocou-se a Madrid numa curta visita oficial logo oito dias após ter tomado posse, em março de 2016.

Em abril deste ano, realizou uma visita de Estado de três dias a Espanha, durante a qual esteve em Madrid e em Salamanca, com o rei Felipe VI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.