Marcelo galardoado com prémio Fernández Latorre. "Sinto-me profundamente honrado"

O Presidente da República foi distinguido com o prémio Fernández Latorre pelo "seu contributo para a promoção das relações bilaterais entre Espanha e Portugal". Pela primeira vez, o galardão é entregue a um chefe de Estado estrangeiro

"Sinto-me profundamente honrado, porque é a primeira vez que é concedido a um chefe de Estado estrangeiro", afirmou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, depois de saber que foi galardoado com o prémio Fernández Latorre, atribuído em memória do fundador do jornal La Voz de Galicia , pela promoção das relações bilaterais entre Espanha e Portugal.

Em entrevista ao jornal La Voz de Galicia, o chefe de Estado português destaca a importância desta distinção. "Prémio Fernández Latorre honra um dos mais importantes nomes da imprensa galega. Serve para nos recordar a centralidade de valores como a liberdade de opinião e de imprensa, pilares essenciais para a vitalidade e o futuro das nossas sociedasdes democráticas", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que desde 1965 e até ser eleito Presidente da República, em 2016, colaborou regularmente em diferentes meios de comunicação, tendo estado à frente de "vários jornais portugueses de prestigio, como o semanário Expresso". "Por isso não podia estar mais honrado com esta distinção num momento em que a imprensa europeia atravessa tantos e tão diversificados desafios".

Para o Presidente da República, o prémio é "um sinal da profunda amizade que une Espanha a Portugal, e que torna a nossa relação com Galiza única e especial".

A distinção foi decidida por unanimidade pelo Conselho de Curadores do galardão, que tem um valor de 10 mil euros

Segundo o jornal galego, a distinção de Marcelo Rebelo de Sousa, na 60.ª edição deste prémio, "foi concedida em reconhecimento do seu contributo para a promoção das relações bilaterais entre a Espanha e Portugal" e decidida por unanimidade pelo Conselho de Curadores do galardão, que tem um valor de 10 mil euros.

Marcelo é descrito como "um incansável promotor" das relações bilaterais ibéricas

Na sua decisão, o júri considerou que personalidades como o chefe de Estado português fizeram com que as relações transfronteiriças entre Espanha e Portugal sejam agora "um modelo de coesão" para a União Europeia.

"Sempre fui assim; otimista, lutador, persistente, trabalhador e muito ativo"

Marcelo Rebelo de Sousa é descrito como "um incansável promotor" das relações bilaterais ibéricas, desde os seus tempos de comentador televisivo.

Questionado pelo jornal sobre qual é o seu segredo para tanta energia e vitalidade, o Presidente da República responde que é a sua maneira de ser. "Sempre fui assim; otimista, lutador, persistente, trabalhador e muito ativo".

"As pessoas sabem que não se muda de maneira de ser, muito menos na minha idade, prestes a completar 70 anos [a 12 de dezembro]. Talvez ajude que, apesar do cargo e dos compromissos, continuo a viver na minha casa de sempre, mantenho as minhas rotinas e todos os dias banho-me no Atlântico", destacou Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa deverá receber o prémio no último trimestre deste ano, entregue pelo rei de Espanha, Felipe VI, em data a acertar.

Para o Presidente da República, Portugal e Espanha têm que "levar mais longe" a relação bilateral

Aguarda "com expectativa" a visita à Galiza, que conhece "muito bem desde criança". "A Galiza tem com Portugal uma rica, diversificada e multifacetada relação. Basta recordar que o peso da Galiza nas nossas exportações supera o Brasil".

Marcelo quer, no entanto, "levar mais longe" os intercâmbios entre Portugal e Espanha em diversas áreas, "como a economia, a cultura, o património e o turismo".

O Presidente da República deslocou-se a Madrid numa curta visita oficial logo oito dias após ter tomado posse, em março de 2016.

Em abril deste ano, realizou uma visita de Estado de três dias a Espanha, durante a qual esteve em Madrid e em Salamanca, com o rei Felipe VI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.