Presidente da Câmara de Torres Vedras também quer redução dos passes

Depois de o presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, também o autarca de Torres Vedras quer reduzir o preço dos passes dos transportes públicos

"A Câmara Municipal de Torres Vedras quer a redução do custo dos passes dos transportes públicos", afirma a autarquia.

O Governo fez saber que está a estudar a redução do preço dos passes dos transportes públicos em todo o país, depois de o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, ter defendido a descida do custo dos passes sociais na área metropolitana da capital e no Porto. Agora é o autarca de Torres Vedras, Carlos Bernardes que também defende a medida.

"Em causa está o trabalho desenvolvido entre a Comunidade Intermunicipal do Oeste - OesteCIM e a Área Metropolitana de Lisboa, com vista a que os utilizadores dos transportes públicos de passageiros usufruam das mesmas condições que os utilizadores de transportes das áreas metropolitanas", explica, em comunicado, a Câmara de Torres Vedras. O tema foi levado à reunião do executivo municipal esta terça-feira.

Governo quer reduzir preço dos passes dos transportes públicos em todo o país

"A medida visa a promoção da utilização dos transportes públicos em detrimento do uso de viaturas individuais", justifica a autarquia. Carlos Bernardes junta-se assim a Fernando Medina, que quer ver inscrito no próximo Orçamento de Estado um novo sistema de passes sociais com um custo máximo de 30 euros mensais dentro da cidade de Lisboa e 40 euros por mês para os 18 municípios da área metropolitana. Uma medida que defendeu em entrevista ao Expresso.

Dias depois, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, afirmou que o Governo está a estudar a possibilidade de descer o preço dos passes sociais em todo o país, uma medida. O governante afirmou ao Jornal de Negócios e ao Público que a medida pode custar ao Estado e às autarquias 95 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.