Marcelo alerta: é preciso "levar a sério" crise económica na comunicação social

Presidente da República chama a atenção para as consequências da atual situação dos media na democracia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta sexta-feira que é preciso "levar a sério" a crise na comunicação social e o efeito que pode ter na qualidade da democracia, um problema simultaneamente nacional e internacional.

O chefe de Estado falava durante a entrega dos Prémios Gulbenkian, em Lisboa, que este ano distinguiram, no plano internacional, a organização não-governamental Article 19, de defesa do direito à liberdade de expressão.

Num discurso curto, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos galardoados e de como estes respondem a desafios nacionais e internacionais e defendeu a necessidade de "levar a sério a crise económica e financeira da comunicação social [portuguesa] e o que ela prenuncia de combate pela sobrevivência e de preço na qualidade da nossa democracia".

"Sabemos bem, sabe bem o premiado internacional, de como é cada vez mais grave o desafio da comunicação social no mundo", sublinhou o Presidente.

Projeto para pessoas sem-abrigo

Ao nível nacional, o Prémio Gulbenkian de Coesão distinguiu o projeto dirigido às pessoas sem-abrigo "É uma casa, Lisboa Housing First", da associação Crescer na Maior; o Prémio Gulbenkian Conhecimento foi atribuído ao diretor artístico da Associação Cultural O Espaço do Temo, Rui Horta, pelo trabalho desenvolvido no centro multidisciplinar de residência e experimentação artística de Montemor-o-Novo.

O Prémio Gulbenkian de Sustentabilidade foi atribuído à cooperativa de desenvolvimento sustentável Copérnico, a primeira cooperativa de energias renováveis.

Sobre os galardoados e os desafios que encerram, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou a necessidade de "impedir que a energia, em particular a do futuro, seja vista exclusivamente como negócio estratégico de muito poucos, distintos dos muitos mais".

Por outro lado, o Presidente considerou que é preciso "lutar para que não se consolide irreversivelmente a desigualdade entre os vários 'portugais', em especial, os longínquos do metropolitano".

Numa referência às pessoas sem-abrigo, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que é preciso "não deixar banalizar a indiferença perante aquelas e aqueles que nos habituamos a fazer de conta que não existem, ou de que são a residual inevitabilidade das metrópoles".

"Solidariedade na partilha da energia a pensar no futuro, cultura fora das metrópoles em ligação à escola, atenção empenhada aos sem-abrigo e liberdade de imprensa, são apostas que correspondem a valores decisivos, cá dentro, como lá fora", sintetizou o Presidente.

A entrega dos Prémios Gulbenkian, da Fundação Calouste Gulbenkian, reuniu neste dia dois ex-Presidentes da República: Jorge Sampaio, presidente do júri do prémio internacional, e Aníbal Cavaco Silva, que assistiu à cerimónia com a mulher, Maria Cavaco Silva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.