Marcelo diz que legislatura já chegou ao fim e que portugueses vão poder escolher o futuro do país

O Presidente da República considerou hoje que já se pode dizer "que a legislatura chegou ao fim", sem crises e que, agora, os portugueses vão poder "comparar projetos, propostas e escolher o que pretendem para o futuro".

"Penso que se pode dizer que a legislatura chegou ao fim. Era esse um dos objetivos da situação económica e financeira muito difícil do país e era importante que não houvesse crises políticas. Estamos a sete meses, isso foi bom para o país e é bom para as escolhas dos portugueses que podem comparar projetos, propostas e escolher o que pretendem para o futuro", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República, que falava, no Porto, à margem da cerimónia de entrega do Prémio BIAL Medicina Clínica 2018, foi questionado sobre a remodelação governamental hoje oficializada, mas lembrou apenas que dentro de poucos meses irão realizar-se eleições.

"As remodelações são possíveis enquanto existir Governo e teoricamente são possíveis até ao último dia da existência de um Governo, mas estamos muito próximos de eleições - faltam três meses para as eleições europeias e, logo a seguir, quatro para as regionais da Madeira e para as legislativas - portanto, é uma ponta final da legislatura. Mas, não há nada que impeça uma remodelação na ponta final da legislatura", afirmou.

O Presidente da República adiantou ainda que tenciona "convocar as eleições europeias dentro de poucos dias", ou seja, "cerca de 90 dias antes da sua realização".

Sobre a separação de matérias entre o que é campanha eleitoral e ação governamental, o chefe de Estado considerou ser "evidente que, com a convocação das eleições, fica claro que tem de se separar aquilo que é a atividade executiva e a campanha eleitoral".

Quanto à moção de censura que o CDS-PP apresentou ao Governo, Marcelo Rebelo de Sousa disse que não lhe competia pronunciar-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?