Portugal "não depende da presença alheia" para construir a paz

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está em Paris para participar nas comemorações dos 100 anos do Armísticio e foi questionado sobre a ausência do chefe de Estado norte-americano, Donald Trump, no Fórum da Paz

O Presidente português disse este sábado em Paris que "Portugal não depende da presença alheia" para construir a paz, aludindo à ausência do chefe de Estado norte-americano do Fórum da Paz, que integra as comemorações dos 100 anos do Armistício.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas em Paris, onde decorrem as comemorações do centésimo aniversário do Armistício, entre este sábado e domingo, cujo programa inclui a realização do Fórum da Paz, que vai reunir vários líderes mundiais na procura de soluções para promover a paz no mundo, mas que não contará com a participação do Presidente dos EUA, Donald Trump.

Questionado sobre a ausência de Trump, o Presidente afirmou que Portugal não depende de outros países para construir a paz.

"Portugal está comprometido na construção da paz e está com muitos dos seus aliados, não é possível estar com todos. Portugal não depende da presença alheia para fazer aquilo que tem de fazer", disse o chefe de Estado, durante uma visita ao consulado-geral de Portugal em Paris, onde está patente uma exposição sobre a Primeira Guerra Mundial .

"Vontade de construir uma Europa diferente"

O Presidente referiu ainda que Portugal "é uma plataforma entre culturas, construtura de paz, criadora de pontes", acrescentando que "não é por acaso que o secretário-geral das Nações Unidas é um português".

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que as celebrações não são apenas "uma romagem de saudade e de homenagem", mas também "uma vontade de construir uma Europa diferente".

"Há uma romagem de saudade e de homenagem e ao mesmo tempo uma vontade e construir uma Europa diferente, uma Europa de paz e de esperança", disse o Presidente.

O Presidente evocou ainda os "muitos" portugueses que morreram em França para defender "uma Europa aberta, uma Europa sem guerra, nem ódios".

"Os quatro anos [2014-2018] que correspondem ao centenário da Grande Guerra foram intensamente vividos porque aqui foram intensamente vividos aqueles anos, com mais de 50.000 militares portugueses que tiveram um papel fundamental, em situação muito difícil, às vezes dramática, defendendo não apenas a França, a posição de uma aliança em que Portugal se integrava, mas uma Europa aberta, uma Europa sem guerra, nem ódios. Uma guerra que deu origem à paz e muitos [portugueses] aqui ficaram", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa visitou também as exposições de Paula Rego, no Museu de l'Orangerie, e a exposição de Rui Chafes e Giacometti, na Fundação Calouste Gulbenkian.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".