Portugal contribui com 0,97% do PIB para o financiamento direto da NATO

Financiamento da Aliança Atlântica é feito por via direta e por via indireta, através dos orçamentos nacionais dos 29 países aliados.

A partilha de custos do financiamento direto da NATO assenta numa fórmula relacionada com o Produto Interno Bruto (PIB) de cada país membro e aceite pelos 29 aliados, cabendo a Portugal contribuir com 0,9725% do total em 2018 e 2019.

A participação de cada país membro para o financiamento direto da Aliança não está sujeita à regra dos 2% do PIB e parece ter escapado ao radar do presidente norte-americano, Donald Trump, cujas exigências se centram na percentagem dos orçamentos nacionais - os chamados fundos indiretos da NATO, a que se aplica aquele teto - para a Defesa.

O financiamento direto - via fundos comuns e fundos conjuntos - destina-se a pagar os principais orçamentos da Aliança Atlântica, desde a componente civil à militar e ao programa de investimentos em capacidades militares.

Segundo a partilha de custos em vigor, desde 01 de janeiro deste ano e até 31 de dezembro de 2019, cabe a Portugal contribuir com uma fatia de 0,9725% - cerca de 22,5 milhões de euros - desse bolo total de quase 2271 milhões de fundos comuns., segundo dados oficiais da organização.

Os EUA são o maior contribuinte, com 22,1387% daquele total, seguindo-se a Alemanha (14,7638%, a França (10,4986%) e o Reino Unido (10,4581%). Os restantes países estão abaixo dos dois dígitos.

O financiamento cojunto tem natureza multinacional e varia em função das "necessidades, prioridades e modalidades" desse financiamento definidas pelos países aliados envolvidos, cabendo à NATO um papel de supervisão política e financeira.

O orçamento civil da NATO, no valor de 245,8 milhões de euros em 2018, financia essencialmente as despesas de pessoal e os custos de funcionamento da sede da organização.

A componente militar, com 1325 milhões de euros, cobre os custos de operação e manutenção da estrutura de comando (como os comandos estratégicos ou a frota de aviões-radar AWACS) e está subdividida em 35 orçamentos separados.

O chamadio Programa de Investimento em Segurança da NATO (NSIP, sigla em inglês) destina-se a pagar os principais programas de construção e os sistemas de comando e controlo da Aliança. O montante deste ano são 700 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.