PJ faz buscas a presidente da ADSE

Carlos Liberato Batista é investigado por suspeitas de corrupção e está demissionário desde abril

A Polícia Judiciária realizou buscas no gabinete e na residência do presidente demissionário da ADSE, Carlos Liberato Batista, no âmbito de uma investigação a crimes de corrupção, noticia a revista Sábado.

As suspeitas resultam de uma denúncia que chegou às autoridades e que levou a Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ a realizar, segunda-feira, as diligências, sem tenha, de acordo com a Sábado, constituído arguido o dirigente do sistema de saúde dos funcionários públicos.

Em causa estarão suspeitas sobre a existência de contrapartidas, pagas de forma encoberta, para contratos de convenções entre a ADSE e clínicas privadas. Liberato Batista demitiu-se em abril quando a TVI emitiu uma reportagem sobre irregularidades detetadas numa auditoria à sua gestão na Associação de Cuidados de Saúde da antiga Portugal Telecom.

A auditoria referia a existência de situações graves como a criação de empresas fantasma para receber por serviços nunca prestadas.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.