Pedido de desculpas. "Há um caminho que está aberto para o diálogo", diz bastonária dos enfermeiros

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, aceitou o pedido de desculpas da ministra da Saúde, Marta Temido, por ter usado a expressão "criminoso" na entrevista DN/TSF deste fim de semana

"Marca um ponto de viragem" na relação, diz a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, que aceitou o pedido de desculpas da ministra da saúde, Marta Temido, por ter usado a expressão "criminoso" na entrevista DN/TSF deste domingo. Numa conversa telefónica, a governante pediu à bastonária que aceitasse e transmitisse as desculpas a todos os enfermeiros, esclarecendo que em circunstância alguma teve intenção de chamar "criminosos" aos enfermeiros.

"Há um caminho que está aberto para o diálogo, que se vai fazer na quarta-feira quando tivermos a reunião com a ministra e, se vai acabar com a greve ou não, tudo depende daquilo que o governo estiver disposto a ceder", disse à TSF a bastonária dos enfermeiros. "É evidente que uma negociação tem duas partes e as duas têm de conseguir sentar-se à mesa e saber quais são os pontos fundamentais dos quais um e outro não pode abdicar".

Ana Maria Cavaco salienta que o que se tem assistido é que da parte dos sindicatos é a disponibilidade para negociar e "da parte do governo houve uma postura intransigente". "Eu penso que neste momento, ao dia de hoje e com a conversa que tive com a ministra, há aqui um ponto de viragem nessa intransigência do governo", afirmou a bastonária.

Na entrevista ao DN e TSF, questionada sobre se admite iniciar as negociações com os enfermeiros que estão a fazer greve aos blocos operatórios, Marta Temido respondeu que"isso nem sequer seria correto para com as estruturas que decidiram dar-nos o benefício de continuar à mesa e a negociar connosco. Isso estaria a privilegiar, digo eu, o criminoso, o infrator".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".