PCP separa Orçamento do Estado das mudanças aprovadas na lei laboral

Jerónimo de Sousa diz que o PS fez "uma opção" de estar contra os trabalhadores, cuja defesa é o que separa a esquerda da direita.

O líder do PCP criticou duramente o PS no final dos trabalhos parlamentares desta quarta-feira por causa das alterações à lei laboral, mas disse que essa matéria não condiciona a posição dos comunistas sobre o Orçamento de Estado para 2019.

Jerónimo de Sousa falava aos jornalistas no final da maratona de votações que fechou os trabalhos da terceira sessão legislativa, marcada pela aprovação das mudanças na lei laboral.

"Sendo um elemento marcante", o diploma agora aprovado "não tem que ser misturado com a discussão em concreto dos conteúdos" da proposta do próximo Orçamento do Estado, referiu o secretário-geral do PCP.

A proposta "inaceitável e injusta" que o Governo socialista "transportou para a lei da República", nas palavras do líder comunista, foi aprovada pelo PS com a abstenção do PSD e do CDS - e a oposição dos restantes partidos de esquerda.

"É uma lei injusta" porque o diploma "mantém a caducidade da contratação coletiva", impedindo o crescimento dos salários e a manutenção dos direitos dos trabalhadores, para os quais o Governo recusou dar "o tratamento mais favorável" em termos legais. Com isso, os trabalhadores ficam com "menos diretos que um contratado a prazo" e essa foi "uma opção ratificada pelo PSD e CDS" com a sua abstenção, acrescentou Jerónimo de Sousa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.