PCP critica Marcelo por causa da lei da UBER

Comunistas acusam o Presidente da República de estar a abrir portas "à destruição de um setor de base nacional", o setor do táxi.

O PCP emitiu hoje um comunicado, através do seu gabinete de imprensa, onde critica a promulgação pelo Presidente da República da lei que regula a atividade de empresas como a Uber e a Cabify.

Dizendo que "lamentam" a decisão de Marcelo, os comunistas afirmam que "o diploma que abre portas à destruição de um setor de base nacional - o setor do táxi". Recordam também, no contexto, que o diploma já havia sido vetado em abril passado.

"As alterações à Lei agora introduzidas por PS, PSD e PAN, com a abstenção do CDS, em nada modificaram a natureza e objetivos do diploma que favorece a ação de multinacionais, como a Uber e a Cabify, que operam no transporte individual de passageiros, e criam um regime paralelo e de concorrência desleal, em prejuízo do país, dos utentes e dos profissionais", diz o comunicado do PCP.

O partido promete que "continuará a intervir, a par da luta dos profissionais do setor, para, designadamente, impedir a existência de dois regimes com regras diferentes para um mesmo serviço e uma mesma profissão, um com preço fixo, outro com preços desregulados, um exigindo determinada formação profissional, outro dispensando-a, um com contingentes, outro sem contingentes".

Também afirma que lutará para "reforçar um regime laboral que imponha a existência de contratos de trabalho e adote mecanismos que travem o agravamento da exploração" para "apoiar a modernização do setor do táxi".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.