PCP critica Marcelo por causa da lei da UBER

Comunistas acusam o Presidente da República de estar a abrir portas "à destruição de um setor de base nacional", o setor do táxi.

O PCP emitiu hoje um comunicado, através do seu gabinete de imprensa, onde critica a promulgação pelo Presidente da República da lei que regula a atividade de empresas como a Uber e a Cabify.

Dizendo que "lamentam" a decisão de Marcelo, os comunistas afirmam que "o diploma que abre portas à destruição de um setor de base nacional - o setor do táxi". Recordam também, no contexto, que o diploma já havia sido vetado em abril passado.

"As alterações à Lei agora introduzidas por PS, PSD e PAN, com a abstenção do CDS, em nada modificaram a natureza e objetivos do diploma que favorece a ação de multinacionais, como a Uber e a Cabify, que operam no transporte individual de passageiros, e criam um regime paralelo e de concorrência desleal, em prejuízo do país, dos utentes e dos profissionais", diz o comunicado do PCP.

O partido promete que "continuará a intervir, a par da luta dos profissionais do setor, para, designadamente, impedir a existência de dois regimes com regras diferentes para um mesmo serviço e uma mesma profissão, um com preço fixo, outro com preços desregulados, um exigindo determinada formação profissional, outro dispensando-a, um com contingentes, outro sem contingentes".

Também afirma que lutará para "reforçar um regime laboral que imponha a existência de contratos de trabalho e adote mecanismos que travem o agravamento da exploração" para "apoiar a modernização do setor do táxi".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.