PCP contra voto de pesar pela morte do empresário Pedro Queiroz Pereira

Bloco de Esquerda e PEV abstiveram-se na votação do texto apresentado pelo CDS

Um voto de pesar pela morte do industrial Pedro Queiroz Pereira dividiu hoje as bancadas do Parlamento. O PCP votou contra o texto, apresentado pelo CDS-PP, enquanto Bloco de Esquerda e PEV se abstiveram. As restantes bancadas parlamentares - PS, PSD, CDS e o deputado único do PAN - votaram a favor.

O voto de pesar, apresentado e votado durante a reunião da Comissão Permanente da Assembleia da República, na tarde desta quinta-feira, aponta a "importância do legado" do empresário para a indústria e economia nacionais. "As qualidades humanas e profissionais e o espírito empresarial de Pedro Queiroz Pereira fizeram dele uma referência incontornável no meio industrial português, e o rigor com que geriu as suas empresas será sempre um exemplo único de liderança", refere o texto.

Presidente do conselho de administração das papeleiras Semapa e Navigator (ex-Portucel), Pedro Queiroz Pereira morreu a 19 de agosto último, aos 69 anos, vítima de ataque cardíaco.

A votação de hoje reproduziu integralmente a divisão que se já tinha verificado em novembro do ano passado, quando o parlamento votou uma nota de pesar pela morte de outro empresário português, Belmiro de Azevedo. Nessa altura, o PCP também votou contra, enquanto BE e PEV se abstiveram.

PCP, BE e PEV contra voto por John McCain

Durante a reunião parlamentar de hoje, outro voto de pesar - apresentado pelo PSD - também dividiu o hemiciclo. Neste caso, o texto referia-se ao senador norte-americano John McCain, falecido no final de agosto. As bancadas do PCP, BE e PEV votaram contra, enquanto PS, PSD e CDS votaram a favor. O PAN absteve-se.

"Um homem de convicções fortes e de grande frontalidade, McCain transformou-se numa figura moral do Senado e do seu partido e alguém reconhecido internacionalmente, não apenas pela sua postura na política interna americana, como também no plano externo onde procurou sempre defender os interesses fundamentais da liberdade e da democracia, discordando inclusivamente de algumas posições do seu próprio partido", refere a nota de pesar.

Numa declaração de voto, citada pela Lusa, a bancada parlamentar do PCP acusa o texto apresentado pelos sociais-democratas e "iludir o papel que, ao longo de décadas, John McCain desempenhou como arauto das guerras de agressão contra Estados soberanos e os seus povos por parte dos Estados Unidos da América".

"Se John McCain foi prisioneiro de guerra, durante a guerra do Vietname, aconteceu porque foi derrubado o avião que pilotava e procedia a um bombardeamento desse país", acrescenta a bancada comunista, referindo o uso de napalm "e outras armas químicas" por parte das tropas norte-americanas.

"O facto de que o embate que hoje divide diferentes setores da classe dirigente norte-americana tenha levado a que as cerimónias fúnebres de John McCain fossem transformadas num espetáculo mediático em nada interessa ao povo português. Nem justifica que a Assembleia da República homenageie um paladino do militarismo e da guerra, que viola os princípios da Constituição da República Portuguesa, da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional", sustenta ainda o PCP.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.