Paulo Portas "irrevogável". Foi há cinco anos

O então ministro dos Negócios Estrangeiros não gostou de saber que Maria Luís Albuquerque ia para o lugar de Vítor Gaspar. E bateu com a porta, sem ninguém saber. Durou quatro dias

Dia 2 de julho, terça-feira, pelas 16.20, a bomba caiu cheia de estilhaços: Paulo Portas, então ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, tinha apresentado a sua demissão na manhã desse dia de 2013, e era "irrevogável". Afinal, durou quatro dias o pedido que o primeiro-ministro à época, Pedro Passos Coelho, nunca aceitou. Passam hoje cinco anos.

Em causa estava a escolha de Maria Luís Albuquerque, secretária de Estado do Tesouro, para substituir Vítor Gaspar, o ministro das Finanças que se tinha demitido na véspera por ser "inadiável" a sua saída. Para Portas, Maria Luís era, depreciativamente, um "Gaspar de saias". E resolveu bater com a porta, sem ninguém saber.

O presidente do CDS, parceiro governamental do PSD, notava então, na mesmíssima carta de demissão "irrevogável", que tinha "conhecidas diferenças políticas" com Gaspar. Para Portas, a saída do ministro que tinha promovido o "enorme aumento de impostos" deveria "permitir abrir um ciclo político e económico diferente". Assim, a sucessão nas Finanças teria de representar uma "escolha feita pelo primeiro-ministro" que "teria de ser especialmente cuidadosa e consensual".

Portas recordou que tinha "atempadamente" apresentado "este ponto de vista ao primeiro-ministro que, ainda assim, confirmou a sua escolha". Maria Luís Albuquerque tomava posse nessa terça-feira, às 17.00 em Belém, e aquilo que se assistiu foi uma cerimónia quase fúnebre, na qual o Presidente da República, o primeiro-ministro e restantes governantes, a começar pela empossada, mantinham uma cara fechada.

Só Gaspar sorria, numa tomada de posse de que os centristas se ausentaram: Assunção Cristas e Pedro Mota Soares, que eram ministros (e continuariam) faltaram à cerimónia, entre os membros do CDS reinava a confusão, Portas não atendia chamadas, nem respondia a SMS. Estava a ser consequente, como escrevia na sua carta de demissão na ortografia antiga: "Em consequência, e tendo em atenção a importância decisiva do Ministério das Finanças, ficar no Governo seria um acto de dissimulação. Não é politicamente sustentável, nem é pessoalmente exigível." Para Portas, o responsável era Passos: "O Primeiro-Ministro entendeu seguir o caminho da mera continuidade no Ministério das Finanças. Respeito mas discordo."

A discordância de orientações durou quatro dias. Passos reagiu ainda na terça-feira a recusar a queda do Governo e a demissão de Portas: "Não me demito, não abandono o meu país" - e obrigando o líder do CDS a conversar. Portas revogou o irrevogável e ficou vice-primeiro-ministro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.