Renovação parlamentar: saíram 39 dos 230 deputados eleitos

18 suspenderam o mandato por pertencerem ao governo

O parlamento "perdeu" 39 dos 230 deputados eleitos diretamente nas legislativas de outubro de 2015, 21 dos quais renunciaram e 18, todos do PS e membros do Governo, suspenderam o seu mandato, segundo dados da Assembleia da República.

De acordo com dados fornecidos à Lusa pelos serviços do parlamento, a renovação é de 16,9%, e dos 21 parlamentares que deixaram São Bento em definitivo, 11 fizeram-no nesta sessão legislativa.

No último ano parlamentar saíram Ana Virgínia Pereira (PCP), António Eusébio (PS), Filipe Lobo d'Ávila (CDS-PP), Gabriela Canavilhas (PS), João Ramos (PCP), José Miguel Medeiros (PS), Paulino Ascenção (BE), Luís Montenegro (PSD), Luísa Salgueiro (PS) e Pedro Passos Coelho (PSD).

Miguel Tiago, que era deputado do grupo parlamentar do PCP há 13 anos, foi o 11.º a anunciar a renúncia.

Com mandato suspenso estão 18 deputados, todos eles ministros ou secretários de Estado e do PS, a começar pelo seu líder e primeiro-ministro, António Costa,

Na lista estão Pedro Nuno Santos, Manuel Caldeira Cabral, Eurico Brilhante Dias, Capoulas Santos, José Apolinário, Marcos Perestrello, Mário Centeno, Graça Fonseca, José Luís Carneiro, Ana Paula Vitorino, Isabel Oneto, Vieira da Silva, Eduardo Cabrita, Ricardo Mourinho Félix, Tiago Brandão Rodrigues, Maria Manuel Leitão Marques e João Paulo Rebelo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.