Juízes Rui Rangel e Fátima Galante alvo de processos disciplinares

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) instaurou processos disciplinares aos juízes desembargadores visados no processo Operação Lex, segundo fonte oficial.

Em resposta à agência Lusa, o CSM explica que o inquérito disciplinar que decorria neste órgão em relação aos juízes Fátima Galante e Rui Rangel foi convertido em processo disciplinar a 1 de outubro, por despacho do vice-presidente do CSM, Mário Belo Morgado.

Adianta ainda o CSM que o processo disciplinar tem, por força da lei, natureza reservada.

A Operação Lex investiga suspeitas de corrupção/recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

Os juízes desembargadores Fátima Galante e Rui Rangel são dois dos 13 arguidos neste caso, que envolve, entre outros, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, o vice-presidente do clube Fernando Tavares, e ainda João Rodrigues, advogado e ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol.

Na sequência deste processo, os juízes desembargadores, foram suspensos de funções e proibidos de contactar com um grupo de pessoas daquele processo.

A operação Lex teve origem numa certidão extraída da Operação Rota do Atlântico e foi desencadeada a 30 de janeiro.

O Estádio da Luz, as casas do presidente do Benfica Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e três escritórios de advogados foram alguns dos alvos das buscas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?