ONU condecora paraquedistas portugueses na República Centro-Africana

Os 156 militares portugueses destacados na República Centro-Africana (RCA) foram condecorados com a medalha das Nações Unidas, informou esta sexta-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

Este terceiro contingente de capacetes azuis portugueses é formado por 153 militares do Exército - dos quais 123 paraquedistas - e três da Força Aérea, que terminam a sua missão no início de setembro, adiantou o EMGFA.

A cerimónia decorreu quinta-feira no quartel-general dos militares portugueses, Camp M´Poko, e foi presidida pelo representante especial do secretário-geral da ONU, António Guterres, na RCA.

Na sua intervenção, o embaixador Parfait Onanga-Anyanga destacou "os momentos determinantes em que a Força de Reação Rápida portuguesa marcou a diferença, contribuindo significativamente para o sucesso da missão" das Nações Unidas, "em particular na proteção da população local indefesa".

Presentes na cerimónia estiveram ainda, entre outros, o comandante operacional da ONU, tenente-general senegalês Bala Keitá, e o comandante da Missão de Treino da UE na RCA, brigadeiro-general português Hermínio Maio.

O quarto contingente que inicia funções em setembro é constituído por 179 militares sob o comando do tenente-coronel paraquedista Verdelho Fontoura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.