Rui Rio: Esquerda tem "obrigação" de aprovar OE 2019

O líder do PSD considera que se a maioria de esquerda não conseguir aprovar o próximo Orçamento do Estado fica provado que era "um projeto sem unidade".

À margem de uma visita a uma escola no Porto, que apoia jovens que deixaram de frequentar o ensino obrigatório, Rui Rio declarou que as forças que apoiam o Governo têm a "obrigação" de se "entender" e de "aprovar um Orçamento do Estado, a exemplo do que fez em anos que não foram eleitorais".

"Se agora não se entende, fica comprovado que é um projeto sem unidade, é uma soma de interesses que deu nisto", disse Rui Rio, referindo, todavia, que tem de se aguardar.

"Não nos vamos precipitar, o Orçamento [do Estado] tem de estar no parlamento a 15 de outubro e nós vamos ver se eles foram capazes ou não foram capazes", acrescentou Rio, assinalando, contudo, que o Governo não se pode comprometer com o que depois "não pode dar".

"Esperemos que para conseguir o Orçamento para 2019 também não ponha lá aquilo que o país não suporta, porque isso ainda era pior", avisou.

[Geringonça está] com seriíssimas dificuldades para vir a aprovar o próximo Orçamento

Questionado pelos jornalistas se acreditava que o OE para 2019 fosse viabilizado, Rui Rio recordou que o PSD tem a perceção desde há três anos que a atual solução governativa é "uma coligação de circunstância" e "uma coligação negativa", para evitar que o PSD tivesse conseguido ser Governo.

Rio explicou também que os orçamentos foram aprovados, passando a ideia que não era uma coligação negativa e que era um projeto político muito sustentado.

"Aquilo que nós estamos a ver é que efetivamente não é assim eestão com seríssimas dificuldades para vir a aprovar o próximo Orçamento do Estado em 2019", porque vai haver eleições em 2019 e tanto o PS, como o PCP e o Bloco de Esquerda estão a querer "safar a sua própria pele".

Rui Rio quer ver se "efetivamente" se trata de "um projeto" ou "uma coligação negativa". "Vamos ver. Está na mão deles", referiu.

Embora considere que existe uma "coligação parlamentar negativa", facto que classifica como uma "apreciação política", Rui Rio explicou que isso não significa que o PSD vá inviabilizar o Orçamento do Estado, porque "não tem posição" sobre um documento que desconhece.

Rui Rio falava depois da visita ao projeto Arco Maior, uma instituição do Porto que acompanha há seis anos cerca de 100 jovens e adolescentes que foram excluídos dos sistemas formais de educação e que acabaram por não completar a escolaridade obrigatória.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.