Costa e Jerónimo reuniram-se para o "pontapé de saída" do Orçamento

O PCP é um dos três partidos, juntamente com BE e PEV, que assinou posições conjuntas com o PS

A reunião formal de topo entre Governo socialista e PCP para arranque das negociações para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) realizou-se esta terça-feira, no Terreiro do Paço, Lisboa, disseram à Lusa fontes ligadas ao processo.

As mesmas fontes rejeitaram adiantar quaisquer pormenores sobre o resultado do encontro.

A reunião entre as partes aconteceu num dia em que o primeiro-ministro, António Costa, durante as jornadas parlamentares do PS no Alentejo, afirmou que quer manter os parceiros de solução governativa, mas avisou que o último ano de legislatura não pode ser eleitoralista, já depois de o líder parlamentar do PS, Carlos César, ter apelado ao sentido de responsabilidade do BE, PCP e PEV.

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, também manteve as duras críticas às alterações à lei laboral preconizadas pelo executivo, bem como à crescente convergência com PSD e CDS-PP por parte dos socialistas, desejando a manutenção do rumo traçado em 2015, apesar de nunca se ter verificado o "rompimento com a política de direita".

Os trabalhos entre Governo e PCP, nas instalações provisórias do chefe do executivo do Terreiro do Paço, enquanto a residência oficial de São Bento está em remodelação, contaram com a presença do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, além da do primeiro-ministro e do líder comunista e do presidente do grupo parlamentar do PCP, entre outros elementos, segundo fontes parlamentares.

Dirigentes do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) reúnem-se quarta-feira, pelas 11:30, com António Costa e outros membros do executivo, no mesmo sentido, já depois de a líder do BE, Catarina Martins, e restante comitiva terem sido recebidos há 15 dias, à semelhança do passado, embora continuem a realizar-se a um ritmo quase semanal reuniões setoriais no parlamento.

O PCP é um dos três partidos, juntamente com BE e PEV, que assinou posições conjuntas com o PS permitindo, em novembro de 2015, a viabilização do Governo minoritário socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.