Negrão assume voto contra o Orçamento de Estado em reunião agitada

Deputados do PSD exigem uma oposição mais firme contra o governo e querem que partido rejeite o OE2019.

À saída da reunião quinzenal com o grupo parlamentar do PSD, o presidente da bancada admitiu que, embora não seja conhecido o teor do próximo orçamento, "tendencialmente" o" o "voto poderá ser contra"

Negrão disse não ter sido taxativo no "não" ao OE2019 na reunião com os deputados, até porque não se conhece ainda o documento, que vai ser negociado pelo Governo com os seus parceiros à esquerda, PEV, Bloco de Esquerda e PCP, apresentado dentro de quatro meses e votado dentro de cinco meses.

"Não, não. Eu não vim garantir. Eu vim dizer aos senhores deputados que todos os sinais que têm sido dados são no sentido de que a votação [do PSD] poderá ser contra o Orçamento do Estado", explicou.

Mas, apesar de ainda não se saber nada sobre o orçamento, o último da legislatura, os sociais-democratas afirmam que ele "é feito numa lógica de acordo com o BE e o PCP, que defendem políticas que são opostas" às que defendem, acrescentou.

Segundo fontes da bancada a reunião foi mais agitada do que o costume com alguns deputados a pedirem para a direção do PSD não confundir a aprovação das medidas do acordo de Concertação Social com a possibilidade de viabilizar o OE2019. Hipótese completamente rejeitada pelos deputados sociais-democratas porque, disseram, "o PSD não pode ser a muleta do governo", caso PCP e BE decidam votar contra o documento.

Depois de Silva Peneda, ministro sombra do PSD para a área da Solidariedade ter vindo publica e recentemente defender que o PSD deve apoiar o orçamento e impedir eleições antecipadas, Rui Rio já deu sinais de que não será essa a sua opção.

Ainda na quarta-feira, Rio considerou que as negociações para o OE2019 serão um teste à atual solução governativa. "Na prática, aquilo que neste momento se vai testar é se, efetivamente, esta solução parlamentar encontrada tem alguma robustez, como foi dito pelos diversos parceiros, ou se não e apresenta deficiências graves e foi apenas por uma questão conjuntural que se conseguiram juntar", frisou Rui Rio.

Na reunião da bancada parlamentar desta quinrta-feira, o ex-líder parlamentar Hugo Soares foi o protagonista da intervenção mais dura e incidiu precisamente sobre o que considera ser uma "posição dúbia" do partido em relação ao que fará sobre o Orçamento de Estado para o próximo ano. O que obrigou Fernando Negrão a assumir que a decisão do PSD será a de votar contra, apesar das cautelas com que falou aos jornalistas à saída da reunião.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.