Negrão assume voto contra o Orçamento de Estado em reunião agitada

Deputados do PSD exigem uma oposição mais firme contra o governo e querem que partido rejeite o OE2019.

À saída da reunião quinzenal com o grupo parlamentar do PSD, o presidente da bancada admitiu que, embora não seja conhecido o teor do próximo orçamento, "tendencialmente" o" o "voto poderá ser contra"

Negrão disse não ter sido taxativo no "não" ao OE2019 na reunião com os deputados, até porque não se conhece ainda o documento, que vai ser negociado pelo Governo com os seus parceiros à esquerda, PEV, Bloco de Esquerda e PCP, apresentado dentro de quatro meses e votado dentro de cinco meses.

"Não, não. Eu não vim garantir. Eu vim dizer aos senhores deputados que todos os sinais que têm sido dados são no sentido de que a votação [do PSD] poderá ser contra o Orçamento do Estado", explicou.

Mas, apesar de ainda não se saber nada sobre o orçamento, o último da legislatura, os sociais-democratas afirmam que ele "é feito numa lógica de acordo com o BE e o PCP, que defendem políticas que são opostas" às que defendem, acrescentou.

Segundo fontes da bancada a reunião foi mais agitada do que o costume com alguns deputados a pedirem para a direção do PSD não confundir a aprovação das medidas do acordo de Concertação Social com a possibilidade de viabilizar o OE2019. Hipótese completamente rejeitada pelos deputados sociais-democratas porque, disseram, "o PSD não pode ser a muleta do governo", caso PCP e BE decidam votar contra o documento.

Depois de Silva Peneda, ministro sombra do PSD para a área da Solidariedade ter vindo publica e recentemente defender que o PSD deve apoiar o orçamento e impedir eleições antecipadas, Rui Rio já deu sinais de que não será essa a sua opção.

Ainda na quarta-feira, Rio considerou que as negociações para o OE2019 serão um teste à atual solução governativa. "Na prática, aquilo que neste momento se vai testar é se, efetivamente, esta solução parlamentar encontrada tem alguma robustez, como foi dito pelos diversos parceiros, ou se não e apresenta deficiências graves e foi apenas por uma questão conjuntural que se conseguiram juntar", frisou Rui Rio.

Na reunião da bancada parlamentar desta quinrta-feira, o ex-líder parlamentar Hugo Soares foi o protagonista da intervenção mais dura e incidiu precisamente sobre o que considera ser uma "posição dúbia" do partido em relação ao que fará sobre o Orçamento de Estado para o próximo ano. O que obrigou Fernando Negrão a assumir que a decisão do PSD será a de votar contra, apesar das cautelas com que falou aos jornalistas à saída da reunião.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.