Negrão assume voto contra o Orçamento de Estado em reunião agitada

Deputados do PSD exigem uma oposição mais firme contra o governo e querem que partido rejeite o OE2019.

À saída da reunião quinzenal com o grupo parlamentar do PSD, o presidente da bancada admitiu que, embora não seja conhecido o teor do próximo orçamento, "tendencialmente" o" o "voto poderá ser contra"

Negrão disse não ter sido taxativo no "não" ao OE2019 na reunião com os deputados, até porque não se conhece ainda o documento, que vai ser negociado pelo Governo com os seus parceiros à esquerda, PEV, Bloco de Esquerda e PCP, apresentado dentro de quatro meses e votado dentro de cinco meses.

"Não, não. Eu não vim garantir. Eu vim dizer aos senhores deputados que todos os sinais que têm sido dados são no sentido de que a votação [do PSD] poderá ser contra o Orçamento do Estado", explicou.

Mas, apesar de ainda não se saber nada sobre o orçamento, o último da legislatura, os sociais-democratas afirmam que ele "é feito numa lógica de acordo com o BE e o PCP, que defendem políticas que são opostas" às que defendem, acrescentou.

Segundo fontes da bancada a reunião foi mais agitada do que o costume com alguns deputados a pedirem para a direção do PSD não confundir a aprovação das medidas do acordo de Concertação Social com a possibilidade de viabilizar o OE2019. Hipótese completamente rejeitada pelos deputados sociais-democratas porque, disseram, "o PSD não pode ser a muleta do governo", caso PCP e BE decidam votar contra o documento.

Depois de Silva Peneda, ministro sombra do PSD para a área da Solidariedade ter vindo publica e recentemente defender que o PSD deve apoiar o orçamento e impedir eleições antecipadas, Rui Rio já deu sinais de que não será essa a sua opção.

Ainda na quarta-feira, Rio considerou que as negociações para o OE2019 serão um teste à atual solução governativa. "Na prática, aquilo que neste momento se vai testar é se, efetivamente, esta solução parlamentar encontrada tem alguma robustez, como foi dito pelos diversos parceiros, ou se não e apresenta deficiências graves e foi apenas por uma questão conjuntural que se conseguiram juntar", frisou Rui Rio.

Na reunião da bancada parlamentar desta quinrta-feira, o ex-líder parlamentar Hugo Soares foi o protagonista da intervenção mais dura e incidiu precisamente sobre o que considera ser uma "posição dúbia" do partido em relação ao que fará sobre o Orçamento de Estado para o próximo ano. O que obrigou Fernando Negrão a assumir que a decisão do PSD será a de votar contra, apesar das cautelas com que falou aos jornalistas à saída da reunião.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.