Primeira mulher general é a nova diretora do Hospital das Forças Armadas

Regina Mateus tomou esta segunda-feira posse. Será a primeira mulher a assumir um cargo de oficial general nas Forças Armadas, mas promoção depende de vagas

A coronel Regina Mateus tomou esta segunda-feira posse como diretora do Hospital das Forças Armadas (HFAR) e será a primeira mulher a assumir um cargo de Oficial General nas Forças Armadas, anunciou hoje o Estado-Maior.

A coronel Regina Mateus assumirá o cargo mantendo o posto atual e "há de ser promovida", sendo a primeira mulher oficial general nas Forças Armadas, disse à Lusa fonte do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA). A promoção depende de vagas na Força Aérea e de autorização do Governo.

Regina Mateus, médica, substituiu o brigadeiro-general António Lopes Tomé na direção do HFAR. O capitão-de-mar-e-guerra Manuel Ribeiro tomou posse como subdiretor do hospital, substituindo Luís Santos Carvalho.

A coronel Regina Mateus nasceu em 1966, em Maputo. Frequentou o curso de Medicina na Universidade de Coimbra, concluído em 1991. Entrou há 24 anos para a Força Aérea, sendo a mais antiga coronel das Forças Armadas.

Foi colocada no antigo hospital da Força Aérea, atual HFAR, e tirou depois o curso de medicina aeronáutica. Fez o internato complementar em Cirurgia Geral e obteve o grau de assistente hospitalar em 2002.

Em 2003 chefiou a equipa de saúde militar presente no exercício de avaliação tática da NATO, em Ovar, e participou em várias missões da Aliança Atlântica como "Avaliadora de Proteção da Força" em Portugal, Grécia, Turquia e Espanha.

Foi chefe do centro de Saúde da Base Aérea de Monte Real e o Centro de Medicina Aeronáutica da Força Aérea.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.