Primeira mulher general é a nova diretora do Hospital das Forças Armadas

Regina Mateus tomou esta segunda-feira posse. Será a primeira mulher a assumir um cargo de oficial general nas Forças Armadas, mas promoção depende de vagas

A coronel Regina Mateus tomou esta segunda-feira posse como diretora do Hospital das Forças Armadas (HFAR) e será a primeira mulher a assumir um cargo de Oficial General nas Forças Armadas, anunciou hoje o Estado-Maior.

A coronel Regina Mateus assumirá o cargo mantendo o posto atual e "há de ser promovida", sendo a primeira mulher oficial general nas Forças Armadas, disse à Lusa fonte do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA). A promoção depende de vagas na Força Aérea e de autorização do Governo.

Regina Mateus, médica, substituiu o brigadeiro-general António Lopes Tomé na direção do HFAR. O capitão-de-mar-e-guerra Manuel Ribeiro tomou posse como subdiretor do hospital, substituindo Luís Santos Carvalho.

A coronel Regina Mateus nasceu em 1966, em Maputo. Frequentou o curso de Medicina na Universidade de Coimbra, concluído em 1991. Entrou há 24 anos para a Força Aérea, sendo a mais antiga coronel das Forças Armadas.

Foi colocada no antigo hospital da Força Aérea, atual HFAR, e tirou depois o curso de medicina aeronáutica. Fez o internato complementar em Cirurgia Geral e obteve o grau de assistente hospitalar em 2002.

Em 2003 chefiou a equipa de saúde militar presente no exercício de avaliação tática da NATO, em Ovar, e participou em várias missões da Aliança Atlântica como "Avaliadora de Proteção da Força" em Portugal, Grécia, Turquia e Espanha.

Foi chefe do centro de Saúde da Base Aérea de Monte Real e o Centro de Medicina Aeronáutica da Força Aérea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.