MP acusa 36 arguidos por furto, associação criminosa, branqueamento e recetação

Dos 36 arguidos, 15 estão em prisão preventiva, e "integram uma estrutura criminosa, com origem nos estados da ex-URSS, que opera na União Europeia"

O Ministério Público acusou 36 arguidos, na sua maioria cidadãos da República da Geórgia, por furto qualificado, furto qualificado na forma tentada, associação criminosa, branqueamento e recetação, alegadamente cometidos entre finais de 2015 e março deste ano.

Segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), os 36 arguidos, dos quais 15 estão em prisão preventiva, "integram uma estrutura criminosa, com origem nos estados da ex-URSS, que opera na União Europeia, através de diferentes células de indivíduos, sediadas em diversos países da União Europeia, e integram o espaço Schengen.

Segundo o Ministério Público, os arguidos aproveitaram-se das fragilidades de fiscalização policial e judicial, decorrentes da livre circulação de pessoas.

Para a acusação, em Portugal, a estrutura criminosa dedicou-se essencialmente à prática de furtos em residências, contando com o apoio de operacionais residentes, incumbidos de "toda a logística, nomeadamente a procura de alojamento, a disponibilização de viaturas e a indicação de locais para escoarem os objetos" roubados.

Outros arguidos, que não estavam permanentemente em Portugal tratavam da execução dos furtos e do escoamento do produto furtado, nomeadamente dinheiro e objetos em ouro e/ou prata, posteriormente vendidos em estabelecimentos de compra e venda de metais preciosos.

Parte do dinheiro foi transacionado para fora do pais, através do serviço de transferências internacionais disponibilizado por entidades financeiras a operar em Portugal.

A acusação do DCIAP ficou concluída no dia 29 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.