Morreu Luís Cordeiro, vereador pelo BE na Câmara do Seixal

Foi eleito pela primeira vez, em 2009, como independente pelo Bloco de Esquerda na Câmara Municipal do Seixal, no distrito de Setúbal

O vereador pelo Bloco de Esquerda na Câmara Municipal do Seixal, Luís Cordeiro, morreu esta segunda-feira aos 65 anos, informou a concelhia do partido.

"É com enorme pesar que informamos o falecimento do nosso camarada Luís Cordeiro", disse à Lusa a concelhia do Seixal, que partilhou no Facebook uma nota.

Segundo nota enviada pelo Bloco de Esquerda, Luís Cordeiro "foi um ativista empenhado, solidário e o seu desaparecimento precoce é uma perda para a esquerda".

"O percurso político de Luís Cordeiro confunde-se com as posições pelas quais se bateu ao longo de toda a sua vida. A proximidade às populações, em particular as mais vulneráveis, foi a marca de uma vida em defesa da democracia justamente onde esta é mais necessária: no combate à pobreza e à exclusão e na defesa de respostas autárquicas justas e solidárias", referiu o partido.

Nascido em 1953, Luís Cordeiro foi eleito pela primeira vez, em 2009, como independente pelo Bloco de Esquerda na Câmara Municipal do Seixal, no distrito de Setúbal.

No mandato seguinte, entre 2013 e 2017, o bloquista teve o pelouro da Proteção Civil.

nas eleições autárquicas de outubro de 2017, Luís Cordeiro foi reeleito como vereador independente.

Até ao momento não foi possível apurar as circunstâncias da morte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.