Morreu Luís Cordeiro, vereador pelo BE na Câmara do Seixal

Foi eleito pela primeira vez, em 2009, como independente pelo Bloco de Esquerda na Câmara Municipal do Seixal, no distrito de Setúbal

O vereador pelo Bloco de Esquerda na Câmara Municipal do Seixal, Luís Cordeiro, morreu esta segunda-feira aos 65 anos, informou a concelhia do partido.

"É com enorme pesar que informamos o falecimento do nosso camarada Luís Cordeiro", disse à Lusa a concelhia do Seixal, que partilhou no Facebook uma nota.

Segundo nota enviada pelo Bloco de Esquerda, Luís Cordeiro "foi um ativista empenhado, solidário e o seu desaparecimento precoce é uma perda para a esquerda".

"O percurso político de Luís Cordeiro confunde-se com as posições pelas quais se bateu ao longo de toda a sua vida. A proximidade às populações, em particular as mais vulneráveis, foi a marca de uma vida em defesa da democracia justamente onde esta é mais necessária: no combate à pobreza e à exclusão e na defesa de respostas autárquicas justas e solidárias", referiu o partido.

Nascido em 1953, Luís Cordeiro foi eleito pela primeira vez, em 2009, como independente pelo Bloco de Esquerda na Câmara Municipal do Seixal, no distrito de Setúbal.

No mandato seguinte, entre 2013 e 2017, o bloquista teve o pelouro da Proteção Civil.

nas eleições autárquicas de outubro de 2017, Luís Cordeiro foi reeleito como vereador independente.

Até ao momento não foi possível apurar as circunstâncias da morte.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.