Montenegro desafia Rio a marcar já diretas. "Estado a que PSD chegou é mau e irreversível"

Antigo líder parlamentar do PSD acusa Rio de afundar partido. E desafia atual presidente a marcar eleições diretas já, disponibilizando-se para concorrer à liderança do PSD

O antigo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, afirmou esta sexta-feira que está disponível para concorrer à liderança do partido e desafiou o presidente social-democrata a marcar eleições.

"Estou disponível para me candidatar de imediato à liderança do PSD, convidando o dr. Rui Rio a marcar já diretas", atirou, desafiando ainda o atual presidente a recandidatar-se.

Numa declaração prevista de cerca de 20 minutos, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, sem direito a perguntas, Luís Montenegro fez uma leitura demolidora do estado atual do PSD e da direção de Rui Rio. "O estado a que chegou o PSD é mau, é preocupante e é irreversível" com a liderança de Rui Rio. O líder atual do partido "falhou".

Numa sala onde estava Hugo Soares, ex-líder parlamentar do PSD, que sucedeu a Montenegro na direção da bancada, ainda antes do consulado do atual presidente, Montenegro colou Rio a António Costa e ao PS. "Não há uma crítica a António Costa" e a "estratégia" da direção social-democrata "colocou o PSD como muleta do PS e Rui Rio como bengala de António Costa".

Acusando Rui Rio de estar a afundar o partido, Montenegro afirmou: "Sinto a responsabilidade de sair da minha zona de conforto. Não me resigno à ideia de um PSD pequeno, perdedor, sem importância política e estratégica."

Segundo Montenegro, "se nada for feito, o PSD corre o risco de ter uma derrota humilhante", que até poderá "por em causa a sua sobrevivência como grande partido", apontando depois o dedo a Rui Rio: "É preciso salvar o PSD do caminho para o abismo em que está a mergulhar."

"Já não estamos numa situação normal. Há um ano ninguém imaginava a brutal degradação do PSD", enfatizou.

Luís Montenegro fez questão também de desafiar o próprio Rui Rio a recandidatar-se, ele próprio, à liderança do partido, depois de lhe exigir a "coragem" de marcar eleições diretas.

Fez votos que a campanha seja "elevada" e com "respeito pessoal mas confronto político".

O agora concorrente à liderança dos sociais-democratas assegurou que não pediu "licença a ninguém" para ser candidato. "Sou um homem totalmente livre, de bem com a vida. Estou aqui porque quero estar e porque sinto que devo estar", sublinhou.

Luís Montenegro afirmou-se representante de um "PSD ganhador, com vocação maioritária e autónomo do PS"."Estou aqui para ser o adversário que o primeiro-ministro António Costa não tem tido", disse ainda.

Montenegro explicou a sua decisão de se recandidatar porque "é mais leal pôr tudo em pratos limpos". "Não me revejo na ideia do quanto pior, melhor", assegurou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.